Vereadores de Içara aprovam empréstimo de R$ 15 mi

Projeto do Executivo gerou discussão no plenário, pois com a crise do coronavírus, recursos serão utilizados em obras

- PUBLICIDADE -

Thiago Oliveira
Içara

A Câmara de Vereadores de Içara aprovou o projeto de lei que autoriza a Prefeitura a contratar um empréstimo de R$ 15 milhões junto ao Banco do Brasil. Mesmo não sendo uma nova operação de crédito, o assunto gerou polêmica no plenário, já que os recursos em questão serão utilizados em obras.

- PUBLICIDADE -

A operação de crédito já havia sido votada no ano passado, mas exclusivamente pela Caixa Econômica Federal. Os recursos, porém, serão divididos entre os dois bancos, mas para isso, era necessária uma nova aprovação do Legislativo.

Na votação, o projeto encaminhado pelo Executivo foi aprovado com 11 votos favoráveis e quatro contrários. Mesmo assim, foi responsável por uma discussão no plenário pelo endividamento do município, principalmente durante uma época de pandemia.

“A Prefeitura deve em torno de R$ 100 milhões, e está fazendo um empréstimo de mais R$ 15 milhões. Com certeza o FPM [Fundo de Participação dos Municípios] vai cair. Os outros tributos também. É hora errada de fazer financiamento. Se fosse para a saúde, eu não estaria aqui dizendo algo parecido. O que é para a saúde, estamos votando [a favor]. É uma irresponsabilidade, num momento que estamos vivendo com essa pandemia, fazer um empréstimo de mais R$ 15 milhões para pagar”, destacou o vereador Itamar da Silva (PP).

Para prefeito, manifestações tem cunho político

Para o prefeito Murialdo Gastaldon (MDB), utilizar a pandemia como manifestação contrária ao financiamento tem cunho político e um gesto de “rancor com a cidade”.

“Na saúde, nós estamos cuidando. Caminhando nas mesmas condições que os outros municípios. Eu lamento muito que num momento de crise como esse, com todas as cidades se esforçando para trazer recursos. E esse recurso vaio permitir gerar emprego, vai permitir produzir renda, gera tributo, gera qualidade de vida. E em um momento como esse, com a nação desesperada atrás de recurso, ter vereador que vai para fazer política, votar contra, é um gesto de rancor com a cidade muito grande. E a cidade não vai se esquecer. Todo mundo querendo trazer recursos para as cidades. E impedir que venha recurso, quando a cidade mais precisa, é um gesto de desamor”, afirma Gastaldon.

Leia a matéria completa no Tribuna de Notícias desta terça-feira

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.