Justiça de SC na vanguarda

Leia a coluna completa no Jornal Tribuna de Notícias

- PUBLICIDADE -

Medidas inovadoras adotadas antes e durante a pandemia do coronavírus colocam o Poder Judiciário de Santa Catarina na vanguarda de várias iniciativas estruturais e tecnológicas no Brasil. A primeira delas foi a criação do Comitê Interinstitucional para adoção de medidas de combate à Covid-19, integrado por representantes do Ministério Público, da OAB-SC, Defensoria Pública e especialistas.  Este colegiado é que definiu as medidas de proteção da saúde de magistrados, servidores e advogados agora na fase de flexibilização.

Outro projeto inédito no Brasil é o coworking. Serão usados, a partir da próxima semana, espaços especiais dentro do Tribunal e em suas unidades descentralizadas, gradual, para ampliação do teletrabalho.

- PUBLICIDADE -

Participando da estreia do “Conexão ND”, exibido na Record News e no ND+, o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Ricardo Roesler, destacou o desempenho do Judiciário durante a pandemia, com produtividade virtual bem maior do que a presencial.

Os dados do Conselho Nacional de Justiça são expressivos: com 875.196 decisões de 16 de março a 27 de setembro, foi o primeiro entre os tribunais estaduais; 43.097.048 atos praticados pelos servidores também na liderança; segunda posição em despachos de magistrados, com 1.207.795; também segundo em sentenças e acórdãos, com total de 605.532; e o terceiro em contribuição financeira para combater o vírus, transferindo mais de R$ 17 milhões.

O Judiciário catarinense, segundo seu presidente, avançou cinco anos em tecnologia e projetos durante os seis meses de pandemia. Concluiu: “A retomada está sendo com segurança. E o teletrabalho veio para ficar”.

O conteúdo completo você acompanha na edição impressa do Jornal Tribuna de Notícias ou no TN Digital. Leia esta e muitas outras colunas, ligue para o (48) 3478-2900 e assine!

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.