Vampiro questiona a Celesc sobre o aumento da tarifa de energia elétrica

A previsão de reajuste é de 8,14%, conforme autorização da Aneel

Foto: Divulgação/ Celesc

- PUBLICIDADE -

“É inaceitável que a Celesc, mesmo com lucro de R$ 144 milhões anunciado no trimestre, cogite aumentar a sua receita atingindo diretamente o bolso dos catarinenses, em um momento tão difícil como este que estamos vivendo”, disse o deputado estadual Luiz Fernando Vampiro,  durante sessão da Comissão de Economia, Ciência, Tecnologia, Minas e Energia, que teve a participação do presidente da companhia, Cleicio Poleto Martins.
Luiz Fernando Vampiro foi o autor da lei que garante a prorrogação do pagamento das contas de água, luz e gás em Santa Catarina.

Segundo o deputado, aumentar a tarifa e cogitar a possibilidade de voltar a cortar a energia elétrica de inadimplentes contraria a missão da empresa pública, que tem como obrigação a responsabilidade social. A previsão de reajuste é de 8,14% nas tarifas de energia elétrica, conforme autorização da Aneel. “Os consumidores que agora são surpreendidos com um reajuste não tiveram aumento salarial neste percentual nos últimos anos. Milhares perderam o emprego ou estão com salários reduzidos pela pandemia”,  explicou o deputado.

- PUBLICIDADE -

Corte de energia 

A Assembleia Legislativa aprovou um pedido de informações para a Celesc sobre a possibilidade da retomada do corte de energia durante a pandemia para pessoas e empresas inadimplentes. O parlamento chegou a aprovar um Projeto de Lei que proibia o corte de energia durante a pandemia e estipulava o parcelamento sem multa em até 12 vezes.

“A Celesc é dos catarinenses, tem compromissos com a sociedade e não pode agir de forma tão desumana, sem olhar para a população mais sofrida. Não pode, igualmente, descumprir uma Lei aprovada pelo parlamento”, complementa o deputado.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.