Moradores impedem tráfego de caminhões no interior de Maracajá

Comunidade do Encruzo do Barro Vermelho bloqueia Rodovia Alcino de Freitas, onde trânsito de veículos pesados é proibido por Decreto Municipal

Foto: Lucas Colombo/TN
- PUBLICIDADE -

Maracajá

O desrespeito às placas e ao decreto que proíbe o tráfego pesado em três rodovias de Maracajá levou a comunidade de Encruzo do Barro Vermelho a tomar uma atitude. Na tarde dessa terça-feira, 18, os moradores colocaram os tratores na estrada que liga a Araranguá e impediram que os caminhões pesados transitassem pelo local. O intuito foi bloquear, principalmente, a passagem dos veículos que transportam areia e evitar os transtornos provocados por eles.

- PUBLICIDADE -

A Rodovia Alcino de Freitas é utilizada pelos caminhoneiros que saem de uma empresa do distrito de Hercílio Luz, em Araranguá, para acessar a BR-101. Porém, o Decreto nº 106/2019, do Município de Maracajá, proíbe que eles trafeguem por essa via. “Os três caminhões que paramos foram multados pela Polícia, que estava aqui. Se amanhã (hoje) começarem a passar de novo, nós voltamos a trancar a estrada”, enfatiza o morador Verício Costa Venâncio.

Segundo os moradores da localidade maracajaense, os transportadores estão desobedecendo as interdições e gerado transtornos, como poeira e danos à estrada, que está em processo de pavimentação. “A Polícia faz o papel dela. Ela vem duas, três vezes na semana fazer blitz aqui. Só que um caminhoneiro comunica o outro e ficam esperando para passar quando os policiais saem. Para eles, o decreto e as placas são o mesmo que nada. Eles não respeitam isso”, acrescenta Josiane Fernandes.

Confira a reportagem completa na edição desta quarta-feira, 19, do jornal Tribuna de Notícias. 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Maracajá

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.