HIJG realiza cirurgia inédita em tumor ósseo com nitrogênio líquido

Procedimento foi realizado nesta segunda-feira

Foto: Divulgação/ HIJG

- PUBLICIDADE -

Florianópolis

O Serviço de Ortopedia Pediátrica do Hospital Infantil Joana de Gusmão (HIJG), de Florianópolis, liderado pelo médico André Luís Fernandes Andújar, realizou nesta segunda-feira, 7, cirurgia inédita com a utilização de nitrogênio líquido para congelamento de células vivas de tumor ósseo.

- PUBLICIDADE -

A paciente, Eduarda Saturno Pessi, de 11 anos, moradora de Urussanga, no Sul do Estado, descobriu em junho um Sarcoma de Ewing – tumor maligno que ocorre predominantemente em ossos – no fêmur direito (osso da coxa). Desde então, está em tratamento com quimioterapia em Criciúma, mas precisou ser encaminhada para o HIJG ainda em junho para biópsia e, agora, para cirurgia de ressecção do tumor.

Conforme Andújar, normalmente nesses casos, após a ressecção, é necessário substituir o osso por outro, como o da fíbula, de enxerto de Banco de Ossos ou uma prótese. “Já a técnica de mergulhar o osso em nitrogênio líquido é uma solução biológica, pois mantém o osso do próprio paciente, com menos chance de complicações. Há uma série de benefícios”, ressalta.

A cirurgia, que durou 12 horas, consistiu num acesso lateral na coxa da paciente para ressecção do tumor, que inclui toda a parte central (diáfise) do osso da coxa. Em seguida, o segmento femoral retirado foi mergulhado em um recipiente com nitrogênio líquido, onde permaneceu por 20 minutos a 196ºC negativos. Com as baixas temperaturas, as células tumorais morrem e assim o osso pode ser devolvido à coxa e fixado com placas e parafusos.

O ortopedista Mario Cavalcanti de Albuquerque, especialista em Oncologia Ortopédica, que foi residente de Ortopedia no HIJG e participou voluntariamente do procedimento desta segunda-feira, foi quem trouxe ao hospital a técnica ainda inédita em Santa Catarina. Albuquerque explica que a técnica biológica é sempre a ideal, principalmente no caso de crianças, pois os ossos ainda estão em crescimento. “No caso da Eduarda, foi possível preservar a articulação do quadril. O osso doente foi cortado logo abaixo da articulação, evitando que a mesma fosse comprometida, o que poderia trazer problemas futuros para a paciente”, observa o médico.

Participaram ainda do procedimento o especialista em tumores ósseos do HIJG, Mário C. Kormann; o ortopedista pediátrico Rodrigo S. Grandini; a médica residente de Ortopedia Pediátrica do HIJG, Marthina Alice Gressler; o médico residente de Ortopedia e Traumatologia, Tieslivi da S. Vieira; as instrumentadoras Mariana Bonenberger e Madalena de Toledo; os circulantes de sala Soeli S. Proencio, Dieggo O. da Silveira e Roseli A. Neubuser; o anestesista Marcelo Souza Cruz e o residente de Anestesiologia, Mauricio Collet Romanini.

O HIJG é um dos hospitais da rede pública da Secretaria de Estado da Saúde do Governo de Santa Catarina.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.