Em um ano, DPU de Criciúma realiza 12,3 mil atendimentos

Total de processos registrados na unidade, que quase fechou as portas em 2019, mostra crescimento de 2,3% na demanda

Foto: Lucas Colombo/TN
- PUBLICIDADE -

Criciúma

Apesar das adversidades e do risco de fechar as portas em 2019, a unidade da Defensoria Pública da União (DPU) de Criciúma registrou aumento no número de assistências prestadas gratuitamente à comunidade. Entre janeiro e dezembro do ano passado, foram 12.365 atendimentos aos moradores do Sul do estado, o que representa um crescimento de 2,3% em relação a 2018, quando 12.081 foram contabilizados. Esses processos são voltados a auxiliar quem não possui condições financeiras de contratar um advogado, seja para uma simples orientação ou para ajuizar uma ação na Justiça.

- PUBLICIDADE -

Os dados divulgados pela DPU também apontam que o núcleo criciumense abriu 81,7% processos de assistência jurídica a mais em 2019. Foram 1.103 procedimentos, contra 607 registrados no ano anterior. O total de pessoas que permaneceram sendo atendidas até 31 de dezembro foi 27,7% superior a 2018 – 812 frente a 636. Um acréscimo também foi percebido no quantitativo de processos acompanhados, que subiu 28,5%, totalizando 617.

Panorama catarinense

Somadas, as três unidades da DPU em Santa Catarina – Criciúma, Florianópolis e Joinville – abriram 7,6 mil processos de assistência gratuita no ano passado, o equivalente a um aumento de 14,6%. Entre as demandas mais comuns atendidas pelos defensores públicos estão problemas relacionados à Previdência Social e à saúde, como pedidos de remédios que foram negados pela rede pública.

Confira a reportagem completa na edição desta sexta-feira, 24, do jornal Tribuna de Notícias.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Criciúma

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.