Criciúma: Sobrado que abriga museu Augusto Casagrande completa 100 anos

Espaço foi doado pela família do italiano Augusto Casagrande, em 1980, ano do centenário da cidade

Foto: Divulgação
- PUBLICIDADE -

Criciúma

O sobrado que abriga o Museu Augusto Casagrande completa em 2020, 100 anos de construção. No dia 9 de janeiro deste ano o local completou 40 anos do título de museu. Em 1980, aniversário de 100 anos da cidade, o então prefeito, Altair Guidi, entrou em acordo com a família Casagrande para que ele se tornasse o primeiro museu de Criciúma. A construção da estrutura começou em 1918 e foi concluída em 1920, sendo o primeiro sobrado da cidade.

- PUBLICIDADE -

Nele, viviam o oleiro e político Augusto Casagrande e a dona de casa Cecíla Darós, ambos italianos. Augusto chegou na cidade com sete anos, e Cecília com cinco. Juntos tiveram 15 filhos, 14 deles meninos e uma menina. O museu é cadastrado no Ibran (Instituto Brasileiro de Museus), que reconheceu o seu título. O local é uma das unidades da Fundação Cultural de Criciúma (FCC).

“Quem visita o casarão, encontra uma grande variedade de artefatos históricos, que contam a história da colonização de Criciúma, peças que foram doadas por famílias da região, para as pessoas verem e relembrarem a sua infância. O museu é um dos poucos do estado que tem acessibilidade para cadeirantes e idosos. Em 2019, aproximadamente quatro mil pessoas visitaram o local, que fica no bairro Comerciário”, disse o coordenador do Museu, Realdo Medeiros.

Visitas Suspensas

Atualmente o local está fechado por tempo indeterminado, seguindo o decreto do Governo do Estado, por conta da Pandemia do Coronavirus. Para mais informações sobre o Museu entre em contato através do telefone: (48) 3445-8844.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.