Criciúma: Reunião mobiliza entidades pelo retorno do transporte coletivo

Atividade está parada há mais de 70 dias e ainda não tem previsão para retornar

Foto: Lucas Colombo/ Arquivo TN

- PUBLICIDADE -

A total falta de perspectiva do retorno do transporte público, parado há mais de 70 dias, mobilizou encontro de entidades representativas de Criciúma, que formaram uma comissão para buscar a liberação do sistema. A comissão foi formada após reunião, realizada na manhã desta terça-feira, 05/05, no terminal Central de Passageiros. O encontro foi convocado pela Comissão de Obras e Transporte da Câmara de Vereadores de Criciúma, e debateu maneiras para retorno do sistema, que amarga prejuízos financeiros, demissões e ainda convive com a proliferação do transporte clandestino.

A reunião mobilizou, além dos vereadores, representantes das empresas de ônibus, dos trabalhadores, setor empresarial, associações de bairros e prefeitura de Criciúma. Conforme o presidente da Comissão, vereador Salésio Lima, a comissão vai marcar encontros com representantes do comitê de crise do Governo do Estado, da comissão de transportes da Assembleia Legislativa buscando uma solução o mais rápido possível. Os vereadores também farão uma sensibilização junto às Câmaras de Vereadores da região sul buscando fortalecer o movimento.

- PUBLICIDADE -

O presidente da ACTU, Everton Trento, relatou as dificuldades que o setor está passando, impedido de operar, enquanto outros meios de transporte coletivo clandestinos estão atuando sem nenhum controle ou fiscalização. A constatação também é do presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte, Clésio Fernandes, o Buba, que salientou a necessidade da fiscalização da Polícia Militar sobre essa operação. O pedido foi estendido ao coordenador da Diretoria de Trânsito e Transporte, Gustavo Medeiros, para que seja feita a fiscalização imediata da situação.

Para o presidente da ACTU o encontro foi muito importante para viabilizar o retorno do transporte. “Cada entidade que entra nessa mobilização, pois todos no Estado de Santa Catarina buscam a solução para o transporte e agora vamos tentar sensibilizar o governo, mostrando para ele que o transporte é uma necessidade básica da comunidade”, salientou Trento. A ACTU tentou via judicial o retorno dos ônibus, mas o pedido aguarda a decisão do Tribunal de Justiça. O presidente da ACTU destacou ainda que o Setpesc, sindicato que representa as empresas de ônibus no estado de SC protocolou documento com todos os parâmetros sanitários necessários para que o transporte coletivo pudesse retornar. O documento foi entregue ao Governo do Estado, que ignorou totalmente a iniciativa. Outra tentativa, de retorno do sistema em 30 de abril, também foi revogado, sem novo prazo de abertura.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.