Criciúma: Moradores temem por novo desmoronamento na Otto Mayer

Rua desmoronou em janeiro de 2011 devido a fortes chuvas e foi recuperada em 2016

Foto: Lucas Colombo / TN
- PUBLICIDADE -

Os moradores da rua Otto Mayer, no bairro Mina Brasil, em Criciúma, voltam a temer por um novo colapso no local. Lembrando que a rua desmoronou em 18 de janeiro de 2011, devido as fortes chuvas e ficou por um bom tempo para ser recuperada. A inauguração das obras de revitalização do local foi em maio de 2016. Passados quatro anos da recuperação do local, os moradores vivem em constante vigilância com medo de ocorrer um novo incidente.

De acordo com o morador José Carracedo, que mora próximo onde ocorreu o desmoronamento, além do local ficar por muito tempo interditado, o barranco que dá sustentação para a rua ficou sem uma proteção que traga segurança. Ele cita que em baixo da calçada, já está ficando oco, com a terra que dá sustentação começando a escorregar. “A rua está apresentando sinais de futuro colapso”, alerta Carracedo.

- PUBLICIDADE -

Ele relata ainda que a lajota começa a se soltar com a pavimentação ficando comprometida. O coordenador da Defesa Civil de Criciúma, Dioni Borba, revela que nenhum morador entrou em contato para falar do problema. Ele se comprometeu de ir ao local conferir para ver se o local tem risco de sofrer um novo incidente.

Usuários de drogas                                      

Já o morador Daniel Vieira não teme por um novo desmoronamento, mas conta que o local foi abandonado pela administração municipal, que nunca mais foi verificar os problemas enfrentados pelos moradores. Segundo Vieira, o local é bem utilizado por usuários de drogas, que quase todas as noites ficam se drogando. Daniel reafirma que a situação fica mais complicada nos fins de semana, com muita gente freqüentando o local usando drogas, ingerindo álcool e ligando o som dos carros bem alto. “Antes a polícia fazia algumas rondas por aqui, mas ultimamente eles têm passado pouco. Muito complicado para quem mora por aqui”, enaltece.

Daniel ainda aponta o descaso da Administração Municipal com a limpeza da rua, mostrando parte da calçada tomada pelo mato. “Eles nos abandonaram por completo”, fala. Segundo ele, as pessoas que ficam no local ainda costumam arrancar as lajotas da estrada para sentar e depois jogam no barranco. Daniel ainda mostra que a calçadas começa a ceder, principalmente no local onde a terra começa a escorregar.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.