Criciúma: Casos de violência contra crianças durante a pandemia em pauta

Vereadora pede informações sobre atendimentos do Conselho Tutelar neste período

Foto: Divulgação
- PUBLICIDADE -

Em requerimento apresentado nesta segunda-feira, dia 25, a vereadora Camila do Nascimento solicitou ao Executivo, informações sobre os casos de violência contra a criança, atendidos pelo Conselho Tutelar neste período de quarentena do coronavírus.

A vereadora questiona como está o andamento do processo de atendimento e plantão no Conselho Tutelar de Criciúma desde o início da quarentena; quais as condições de segurança oferecidas para realização dos atendimentos e, qual a incidência e quais os casos de violência à criança e violação dos seus direitos na cidade de Criciúma nesse período de pandemia

- PUBLICIDADE -

“No Brasil, a cada hora, três crianças ou adolescentes são violentados sexualmente. E desses casos, 70% ocorrem dentro de suas casas. Me preocupa muito neste período que estamos vivendo desse isolamento, principalmente as crianças que não estão tendo aula porque elas acabam convivendo muito mais com os agressores. Por isso meu questionamento. Carecemos sim de políticas públicas voltadas para as criança e adolescentes”, ressaltou a vereadora, enfatizando que existe essa identificação de eles procurarem seus professores para retratar o problema.

Adequação de calçadas em prédios de órgãos públicos é questionada

Também nesta segunda-feira, o vereador Salésio Lima questionou ao Município a existência de fiscalização das calçadas (passeios públicos) localizadas em Criciúma que são de responsabilidade de órgãos públicos Federais, Estaduais e Municipais.

O parlamentar quer saber se estão sendo efetuadas fiscalizações em locais onde não existem calçadas em construção de responsabilidade dos órgãos públicos. Ressaltando que, segundo o vereador, a fiscalização que tem ocorrido em propriedades privadas também deve se aplicar aos locais de responsabilidade dos órgãos públicos.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.