Crescimento de Siderópolis é marcado por comprometimento e dedicação

Município completa 62 anos de emancipação político-administrativa com motivos de sobra para celebrar o desenvolvimento

Foto: Lucas Colombo/ Arquivo TN

- PUBLICIDADE -

Siderópolis

Com a cultura italiana enraizada desde a vinda dos imigrantes, as belezas naturais, calmaria e recepção dos moradores fazem de Siderópolis destaque no Sul Catarinense. O avanço da economia desde os tempos de Nova Belluno, em 1891, é sinônimo de um desenvolvimento pautado em muito trabalho, dedicação e comprometimento. Fatores esses que são motivos de comemoração neste sábado, dia 19, data que marca os 62 anos de emancipação político-administrativa da cidade.

- PUBLICIDADE -

O trabalho árduo pelas mãos de muitos moradores proporciona, dia após dia, o franco crescimento de Siderópolis. “Eu sou muito grato à população, a nossa equipe, a todo o servidor, sobretudo os da saúde, principalmente nesse ano de Covid, os guerreiros da saúde, que me deixaram muito orgulhoso. Uma equipe comprometida com a sua população. Depois de oito anos à frente do Poder Executivo, com uma aprovação de mais de 80%, é só com uma equipe muito boa e comprometida. Quero dividir todos esses louros com cada servidor”, destaca o prefeito de Siderópolis, Hélio Roberto Cesa, o Alemão.

Diversidade econômica prospera

A mudança ao longo dos anos é reflexo de muito esforço e dedicação. Mesmo em meio às dificuldades, a diversidade econômica do município prospera, principalmente, nas áreas agrícola, industrial e de extração e transporte do carvão. “Eu trabalhei muito, me dediquei muito, dei o meu melhor. Olhando para trás, nesses últimos oito anos, que está encerrando daqui a duas semanas, eu vejo que a nossa cidade melhorou bastante. É uma cidade estruturada, que cresceu economicamente”, destaca.

Facilidade no acesso às áreas rural e urbana

A cidade pequena, mas com grandes vocações, tem aproximadamente 14 mil habitantes. O desenvolvimento na área rural do município é o que proporciona a vinda dos agricultores para o centro de Siderópolis. “As pessoas perguntam para mim: ‘qual é o teu legado, Alemão, nesses oitos anos?’, eu digo que é a integração do interior com a sede do município. Hoje as pessoas saem da área urbana para morar no interior. Então é o êxodo rural ao contrário. Tudo isso porque a gente levou infraestrutura onde não tinha, ficou tudo muito perto em Siderópolis”, enfatiza Alemão.

Com a facilidade no acesso entre as áreas urbana e rural, o movimento turístico atraiu olhares da administração, que promoveu ações para fomentar o segmento. “Era uma preocupação que tínhamos, ter asfalto até as comunidades e, sobretudo, para chegar até a barragem, aproveitando melhor a vertente econômica do turismo”, acrescenta o prefeito.

UBS é entregue na região central

Além das mais de cem ruas pavimentas, totalizando 50 quilômetros de asfalto, mais uma importante conquista, agora na área da saúde, foi entregue à região central de Siderópolis: a nova sede para a Estratégia de Saúde da Família (ESF), Dr. Gyrão.

A unidade de saúde tem quase 270 metros quadrados, seguindo padrão do Ministério da Saúde, e foi feita em parceria entre o Governo Municipal e o Governo Federal. Foram investidos cerca de R$ 457 mil, sendo R$ 407 mil do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e R$ 50 mil como contrapartida do município.

“Esta é a terceira unidade de saúde que construímos e as outras duas existentes já foram reformadas e ampliadas. A qualidade de vida dos Sideropolitanos foi sendo melhorada com muito trabalho, principalmente de toda nossa equipe da saúde que não mediu esforços para termos um atendimento digno e de qualidade. É muito bom olhar para traz e dizer que valeu a pena”, finaliza Alemão.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.