Buraco às margens do Rio Araranguá começa a ser tapado

Na rua Rui Barbosa, há quase dois anos a cratera dificultava o trânsito de veículos no local

Obras começaram há cerca de uma semana (Foto: Guilherme Cordeiro/TN)
- PUBLICIDADE -

Os carros que transitam pela rua Rui Barbosa, do bairro Cidade Alta em direção ao Centro de Araranguá, freiam, permanecem parados por alguns segundos e então fazem o retorno. Há uma semana a pista, próximo à esquina com a rua Dr. Virgulino de Queiroz, está interditada para obras.

Trata-se da pavimentação em um famoso buraco, aberto há quase dois anos rente às margens do Rio Araranguá. Desde então, o trânsito na rua estava há praticamente em meia pista, em contraste com os Jet-skis que circulam livres pelas águas do rio.

- PUBLICIDADE -

Dificuldades

De acordo com o prefeito Mariano Mazzuco, a dificuldade em elaborar os projetos, devido a características do local, é um dos motivos para a demora.

“Essa obra pode ser feita de várias maneiras. Uma delas é de que poderia fazer um levantamento, significa fechar o buraco com pedras grandes. Por que desistimos desse modelo? Porque não tinha base no barranco do rio, não seguraria a pedra, por exemplo, e poderia até colocar as embarcações em risco”, aponta Mazzuco.

O prefeito destaca que outros projetos e estudos foram feitos, até chegar-se ao atual. “Esse projeto é baseado em estacas justapostas. Vai ter três carreiras de estacas para poder fazer um alicerce até o nível da água e em cima do alicerce”, explica Mazzuco. A obra atinge 11 metros de profundidade para baixo do alicerce e cinco para cima.

Atualmente, o trânsito está bloqueado nos dois sentidos na rua e pode-se ver a cratera aberta e etapas das obras, que devem durar cerca de dois meses, sendo feitas.

Trânsito

Motoristas do sentido Cidade Alta-Centro reclamam da falta de sinalização: não há indicação da pista bloqueada no último cruzamento antes do ponto das obras; assim, trafegam centenas de metros até serem obrigados a fazer o retorno e pegar o desvio pela rua Pref. Valter Belinzoni.

“Era só botar lá que está interrompido, né? Que falta de interesse”, queixou-se a motorista de um SUV à reportagem, depois de entrar em uma empresa às margens da rua, cujas setas das placas da obra indicavam erroneamente como caminho.

Com a novidade da rua interrompida, muitos motoristas desavisados eram obrigados a fazer o retorno, e muitos demonstravam o descontentamento.

Prefeitura com pouco pessoal para elaborar projetos

Além dos detalhes geográficos que dificultaram pela escolha do projeto de tapar o buraco, Mazzuco citou a falta de pessoal na prefeitura para dar mais celeridade aos inícios da obra.

Há apenas um técnico que elabora projetos no município e são mais de 240 obras, “muitas delas já concluídas”, de acordo com Mazzuco. Também foi lançado edital de licitação em que não houve empresas interessadas. A ordem de serviço foi finalmente expedida aproximadamente meio ano após a conclusão dos estudos.

O tapa-buraco está orçado em R$ 200 mil, com recursos próprios da prefeitura. A previsão é de conclusão em 60 dias, “mas pode acontecer imprevisto e a gente ter até que fazer alguma modificação de projeto, alguma coisa. Em princípio está tudo bem estudado e em 60 dias estará pronta”, conclui o prefeito.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.