Asilo São Vicente de Paulo busca apoio financeiro em meio à pandemia

Com o cuidado redobrado, a instituição precisa de ajuda para investir na proteção dos idosos

Foto: Ilustrativa

- PUBLICIDADE -

Criciúma

Assim como em diversas outras instituições filantrópicas, o Asilo São Vicente de Paulo, em Criciúma, tem passado por necessidades financeiras durante a pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19). Por abrigar idosos que correspondem ao grupo de risco, os cuidados de prevenção e combate à doença são essenciais e o investimento em proteção se tornou mais um gasto na conta da entidade. 

- PUBLICIDADE -

De acordo com a analista de captação de recursos do Asilo, Izamara Fabre Custódio, as doações acabaram diminuindo por conta da pandemia. Inclusive, no mês de abril, a entidade teve um custo de aproximadamente R$ 6 mil para medicamentos, destinados ao cuidado com os idosos do grupo de risco. “A gente não deixa de receber, mas sentimos que as doações diminuíram. Mas a necessidade maior que o Asilo sentiu, foi da ajuda financeira, temos um déficit mensal de R$ 30 mil e agora este último mês foi bem difícil de fechar as contas, por conta da situação financeira”, ressalta. 

Visitas estão suspensas

Com as visitas suspensas, o Asilo tem buscado uma nova forma de manter os familiares em contato dos idosos. Através de videochamadas e ligações, a saudade entre os entes é minimizada. “Não é a mesma coisa, mas já é um contato, as vezes temos familiares que vêm até o portão, mantendo toda a distância”, conta Izamara. 

Além disso, a instituição criou uma iniciativa para que os familiares deixem lembranças como cartas com mensagens de saudade no portão, onde cada uma será entregue diretamente para cada destinatário. 

Nenhum registro de coronavírus

Com 45 funcionários e 70 idosos acolhidos, o Asilo São Vicente de Paulo, até o momento, não teve nenhum caso de coronavírus confirmado. As medidas de prevenção e combate à doença têm sido efetivas para evitar o contágio na instituição. “Quando chegamos no Asilo, nós (funcionários) temos que tomar banho e não podemos usar as mesmas roupas que viemos de casa, temos uma série de cuidados. É uma benção. Não tivemos nenhum caso, as medidas estão sendo bem cuidadosas”, afirma a analista. 

Formas de contribuir com a entidade

Atualmente, existem quatro formas de contribuir com a instituição durante a pandemia. Algumas campanhas já são contínuas e realizadas anualmente. São elas: a rifa realizada pelo Asilo São Vicente de Paulo, a contribuição diretamente na fatura da Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. (Celesc), o depósito nas contas bancárias da entidade e a doação de um percentual do Imposto de Renda para Pessoa Física e Jurídica. 

“Estamos focando muito na campanha da Celesc e a rifa, para ver se dá uma ajudada e um respiro financeiro para o Asilo. É claro que toda a doação que a gente recebe é bem-vinda, não negamos nada, o que precisamos vamos utilizando”, finaliza Izamara.

Veja os dados bancários para contribuir com o asilo:

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.