Araranguá: ‘Buraco do Mariano’ começará a ser resolvido

Não resolução do problema fez com que Ministério Público de Santa Catarina ajuizasse ação civil contra Administração e prefeito

Foto: Arquivo TN
- PUBLICIDADE -

Eduardo Souza/Especial
Araranguá

No próximo dia 19 o buraco na Rua Rui Barbosa, conhecido como ‘Buraco do Mariano’, em Araranguá, completa um ano, e nesses 365 dias, nenhuma medida paliativa ou efetiva foi tomada para resolver o problema. Porém, o prefeito Mariano Mazzuco Neto espera que a licitação da obra saia em breve, sendo que em 30 dias o projeto deve estar pronto.

- PUBLICIDADE -

A agilidade do Executivo se deu após uma manifestação do Ministério Público de Santa Catarina, por meio da 5ª Promotoria, que no dia 15 de abril ajuizou uma ação civil pública ambiental em caráter emergencial contra a Administração de Araranguá e o prefeito Mariano Mazzuco Neto. O juiz Gustavo Santos Mottola, dois dias depois, atendeu ao pedido e solicitou que o chefe do Executivo Municipal fizesse uma melhor sinalização da interdição causada pela erosão.

De acordo com Mariano, em trinta dias o projeto deve estar concluído. “Tínhamos uma ideia inicial que acabou se tornando inviável, já que estava orçada em R$ 600 mil, onde incluía uma revitalização da beira-rio, porém mudamos os planos e estamos concluindo um projeto mais enxuto e que resolva somente o problema”, relatou.

Após a conclusão, segundo o prefeito, o início da obra é imediato. “Após esse trâmite de forma ágil, nós vamos chamar o processo licitatório que define a empresa vencedora, que esperamos que quase que de forma imediata parta para a execução”.

Questionado sobre a demora, Mazzuco disse que surgiram muitas demandas durante esse um ano. “Eu sei que estou errado, já deveria ter resolvido isso. Entretanto, estamos com mais de 170 obras em andamento e todas elas precisam de projetos e, isso sobrecarregou a nossa equipe de engenharia, que é pequena para o tamanho de Araranguá”, pontuou.
Conforme Mazzuco, a culpa do desbarrancamento não é dele. “Quando uma obra pública cai, por exemplo, é necessário encontrar o responsável, diferente desse caso em que eu não fui o responsável. Eu não criei aquele buraco, foi um fenômeno da natureza”.

Desgaste

O prefeito afirma que sofreu desgaste político. “Logicamente que toda obra inacabada gera um desgaste. Nesse caso eu admito que já deveria ter solucionado o problema, mas tive que focar em outras coisas, como em tantas obras, o que me impediu de exigir tanto de minha equipe. Há sim o desgaste”.

Mazzuco diz que pode ter sido mal interpretado pelos araranguaenses. “Quem me conhece sabe que eu tenho os ‘pés no chão’, de forma alguma iria executar uma obra de R$ 600 mil, pois essa não é a nossa única demanda. Nós tínhamos outros desafios, como o projeto da ponte que liga os Balneários de Morro dos Conventos e Ilhas. A população pode não me entender, mas o problema ainda não foi resolvido, não por falta de vontade”, concluiu.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.