Apae de Urussanga promove rifa em busca de fundos para melhorias

Cada bilhete custa R$ 10 e pode ser adquirido na sede da instituição, no centro do município

Foto: Divulgação/ Apae
- PUBLICIDADE -

Urussanga

Em busca de arrecadar fundos para melhorias na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Urussanga, a coordenação da instituição promove uma rifa, que já é tradicionalmente realizada todos os anos. A expectativa é atingir a venda de todos os bilhetes até dezembro e, com isso, alcançar a quantia de R$ 20 mil.

- PUBLICIDADE -

De acordo com a diretora da entidade de Urussanga, Marizete Martins Concer, a arrecadação irá contribuir com várias demandas necessárias. “O dinheiro vai ajudar na finalização da nossa quadra coberta, na compra de materiais para estimulação, materiais sensoriais e equipamentos na área de fisioterapia. São tantas coisas que o valor não cobriria tudo que a gente tem em mente, na hora, conforme a necessidade, vamos priorizar e utilizar o dinheiro”, explica.

Onde comprar

Cada bilhete custa R$ 10 e pode ser comprado na sede da instituição, no centro do município. Quanto aos prêmios, serão cinco. Para o 1° lugar uma mesa com quatro cadeiras, para o 2° e 3°, um novilho de cada, para o 4º uma mesinha com duas banquetas e o 5º levará um ventilador e um jogo de lençóis. “O pessoal de Urussanga sempre colaborou muito com as ações da Apae, esperamos que continue assim, mesmo com esse momento difícil”, acrescenta Marizete.

Atendimentos na pandemia

O atendimento na Apae de Urussanga foi parcialmente prejudicado com a pandemia. Conforme a diretora, 50% dos acompanhamentos permanecem presenciais na instituição. “Nós temos a equipe técnica da escola que funciona com fisioterapia, fonoaudiologia, assistência social, psicologia, essas estamos tendo presencial e online. A gente observou que não só os alunos estavam precisando de atendimento, mas também as famílias, então estamos fazendo essa ponte”, comenta.

Aulas através de vídeos

Atualmente, a Apae de Urussanga conta com 90 alunos, de 1 mês a 60 anos, e todos tiveram que enfrentar as mudanças nesse ano. “Os professores gravam as atividades, nós montamos grupos pelo WhatsApp de cada turma, passamos a gravação, eles fazem e dão um retorno para os professores”, finaliza Marizete.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.