Tigre perde nos pênaltis e está eliminado do Catarinense

Tricolor Carvoeiro vence no tempo normal por 1 a 0, mas Foguinho e Jean Dias desperdiçam as cobranças e o Criciúma está fora do Catarinense. Tricolor Carvoeiro tem consistência nos 90 minutos, mas não se sai bem nas cobranças decisivas

- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Fotos: Caio Marcelo/CEC

Foi nos pênaltis que o Criciúma se despediu do Campeonato Catarinense deste ano. Após vencer por 1 a 0 no tempo normal, com gol de Foguinho, o time treinado por Roberto Cavalo não teve competência para bater a Chapecoense no tempo normal. O mesmo Foguinho e Jean Dias desperdiçaram as cobranças e deixaram o Tigre fora da final do Estadual. Nos pênaltis, 4 a 2 para o Verdão do Oeste. No tempo normal, a partida foi fraca tecnicamente. O Tricolor Carvoeiro começou bem, mas logo perdeu força e a Chapecoense não fez nada que merecesse destaque. Apenas poucas chances no final de jogo. Na decisão por pênaltis, o Criciúma não conseguiu superar o adversário e para nas semifinais do Estadual

O Criciúma começou a partida em alta velocidade, com mais posse de bola, e buscando logo o gol, que terminaria com a vantagem do adversário, enquanto a Chape tentava sair em erros do Criciúma, conforme previu o técnico Roberto Cavalo. Aos três minutos, Léo Ceará tentou a jogada individual pela esquerda e foi parado com falta. Na cobrança, a bola ficou com Foguinho pela direita, ele cruzou e a zaga da Chapecoense toda furou, mas ainda conseguiu desviar para escanteio. A pressão do Tigre fez efeito: na cobrança curta, Jean Dias cruzou da esquerda e Foguinho apareceu na segunda trave para marcar: 1 a 0 para o Tigre e vantagem da Chapecoense encerrada. Aos sete minutos, a resposta do adversário: Paulinho Moccelin finalizou pela esquerda, Agenor defendeu parcialmente e no cabeceio de Matheus Ribeiro, o camisa 1 do Tigre pegou firme evitando o empate da Chape. Com muita vontade e rapidez, diferente do jogo de ida, o Criciúma buscava o segundo gol. Aos poucos, o Verdão do Oeste igualou o ritmo de jogo, mas sem voltar a ameaçar o gol de Agenor.

A partida perdeu um pouco em velocidade e ambos os times trataram mais de cadenciar a partida. O Tigre buscava jogadas pelas laterais do campo e não sofria pressão da Chapecoense. A partida não teve mais chances claras de gols, até a metade da etapa inicial, com as equipes sem conseguir concluir as jogadas a gol. Aos 25, Eduardo pegou uma sobra e finalizou pra fora.

Aos 29 minutos, com o jogo em ritmo mais lento, a Chape cobrou escanteio, mas Luiz Otávio cabeceou pra fora, sem perigo para Agenor. Aos 33 minutos, o técnico Umberto Louzer trocou Guedes por Ronei. Aos 36 minutos, Jean Dias foi derrubado pela direita. Falta. Na cobrança, a zaga da Chapecoense afastou. A partida perdeu muita qualidade no decorrer da etapa inicial. No final do primeiro tempo, o Tigre até tentou buscar o segundo gol, mas sem sucesso. A defesa do Criciúma estava firme e o meio campo consistente.

Segundo tempo

Na segunda etapa, os times voltaram buscando o gol. Aos dois minutos, Ezequiel foi lançado na área e bateu forte, mas a bola bateu em Mauricio Barbosa e saiu pela linha de fundo. Na cobrança, a bola sobrou para Derlan que bateu pela linha de fundo. O Verdão do Oeste chegava mais à frente do que o Tigre. Aos seis minutos, sai Anderson Leite, lesionado, e entra Lima. Aos nove minutos, boa combinação entre Léo Ceará e Victor Guilherme pela direita, mas Derlan coloca pela linha de fundo. Na cobrança, Vitão não consegue o cabeceio e o Tigre desperdiça a chance. Aos 12 minutos, Eduardo pegou uma sobra na intermediária e finalizou forte para a defesa de João Ricardo. Criciúma equilibra a partida.

Aos 16 minutos, a Chapecoense chegou a ameaçar o gol de Agenor, mas houve falta no início do lance. Aos 19 minutos, Victor Guilherme fez boa jogada pelo meio e foi derrubado por Ronei. Falta na intermediária. Jean Dias cobrou e a bola pegou na barreira, seguindo para escanteio. A pressão continuava pela direita. Na cobrança do escanteio, Jean Dias bateu, a bola sobrou para Eduardo que finalizou em cima da zaga. O Tigre tomou conta do jogo e foi para cima em busca da classificação direta. A marcação adiantada, empurrava a Chapecoense para o campo de defesa. O Criciúma estava mais perto do segundo gol do que o Verdão do empate.

Aos 34 minutos, Alan Grafite roubou a bola de Kaike, pelo lado direito de ataque, e cruzou para Anselmo Ramon, que finalizou muito perto do gol de Agenor. Chance clara para a Chape. Perigo para o gol do Tigre. Dois minutos depois, Foguinho fez boa jogada pela esquerda para a Chape e cruzou, novamente Anselmo Ramon finalizou para fora. O Tigre recuou e sofreu lances de perigo por parte do adversário. Aos 40 minutos, Alan Grafite chutou cruzado, a bola desviou e saiu. No final, 1 a 0 para o Tigre e decisão nos pênaltis.

Nas cobranças, Ezequiel começou isolando a primeira cobrança. O goleiro Agenor cobrou e deu a vantagem para o Tigre: 1 a 0. Excelente batida do camisa 1 carvoeiro. Em seguida, Derlan igualou. Foguinho desperdiçou. 1 a 1 em duas cobranças para cada time. Paulinho Moccelin deixou a Chape na frente. Jean Dias desperdiçou. Vantagem do Verdão do Oeste. Luiz Otávio fez 3 a 1 e complicou a situação do Criciúma. Vitão descontou: 3 a 2. Agora, a esperança do Tigre estava nas mãos de Agenor. Porém, Anselmo Ramon marcou e tirou o Criciúma do Catarinense.

 

Campeonato Catarinense – Semifinal – Jogo de Volta

Quarta-feira (05/08) – 21h30min – estádio Heriberto Hülse

CRICIÚMA

Agenor; Victor Guilherme, Vitão, Maurício Barbosa e Kaike; Foguinho, Eduardo (João) e Jean Dias; Jajá, Thiago Henrique e Léo Ceará. Técnico: Roberto Cavalo

 CHAPECOENSE

João Ricardo; Ezequiel, Joílson, Luiz Otávio e Derlan; Guedes (Ronei), Anderson Leite (Lima) e Denner (Foguinho); Matheus Ribeiro (Alan Grafite), Aylon (Anselmo Ramon) e Paulinho Moccelin. Técnico: Umberto Louzer

 Arbitragem: Rafael Traci; Auxiliares: Kleber Lucio Gil e Henrique de Neu Ribeiro

GOLS: Foguinho (4/1T)

Cartões Amarelos: Ezequiel (CH)

Cartões Vermelhos: Não houve

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.