- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Erechim

- PUBLICIDADE -

Fotos: Celso da Luz/CEC

A primeira derrota do Tricolor Carvoeiro, na Série C, veio, na tarde deste domingo, diante do Ypiranga, em Erechim(RS). Os gols de Fernandinho, marcado de pênalti, e Neto Pessoa deixam o Criciúma fora do grupo dos quatro primeiros colocados na competição, mas com um jogo a menos do que a maioria dos adversários. As maiores chances de perigo no jogo ficaram a cargo do time gaúcho. O Tigre, que perdeu a invencibilidade, esteve abaixo do que vinha apresentando, sentiu falta do volante Foguinho e pouco ameaçou o goleiro Deivity. O próximo desafio do time de Roberto Cavalo será na sexta-feira, às 20 horas, diante do São José-RS, no Majestoso.

O Ypiranga começou a partida pressionando a saída de bola do Tigre e complicando a saída de jogo do time treinado por Roberto Cavalo. Da mesma forma, o Criciúma adiantava a marcação no campo de ataque. Aos quatro minutos, Leilson avançou pela direita e cruzou para Neto Pessoa, na marca do pênalti, mas Agenor brilhou e fez uma grande defesa. Primeira chance clara do jogo foi da equipe gaúcha, em uma falha de marcação da zaga carvoeira. No minuto seguinte, Leilson seguiu pela direita e cruzou rasteiro, mas Vitão se antecipou e cortou. Pressão do Ypiranga no princípio do jogo. Aos sete minutos, em contra-ataque, Michel escorou e Jean Lucas finalizou, na meia lua, mas Deivity pegou com facilidade. Chegada do Criciúma, após uma marcação forte na saída de bola do adversário. Aos 11 minutos, Andrew foi derrubado pela esquerda. Falta. Carlos César bateu alto e para fora. Aos 14 minutos, o Ypiranga perdeu o zagueiro Douglas, que era o único titular da posição em campo pelo time gaúcho.

O Tricolor Carvoeiro equilibrou a partida e passou a se impor em campo, avançando as linhas e criando boas chances ofensivas. Aos 19 minutos, Leilson fez boa jogada pela direita, cortou Kaíke, em velocidade, e chutou forte, mas a bola tirou tinta da trave de Agenor. Mais um chance clara do Canarinho. A partir daí, os times perderam velocidade e começaram a abusar do toque de bola lateral e de uma marcação mais forte. Aos 28 minutos, Tárik tentou finalizar da entrada da área, mas a bola saiu alta. O Criciúma povoou bem o meio de campo, bloqueou o time da casa e saia bem pelos lados de campo.

Aos 38 minutos, o Ypiranga abriu o placar em um lance fortuito: a bola foi alçada na área, a zaga do Tigre afastou, Reinaldo tentou uma meia bicicleta e a bola pegou na mão de Vitão. O árbitro marcou pênalti. Fernandinho, com paradinha, bateu e abriu o placar. 1 a 0 aos 39 minutos. Em uma partida de poucas oportunidades, o time da casa marcou primeiro. Aos 44 minutos, Michel foi lançado, mas levou a bola com a mão, quando ficaria cara a cara com o goleiro Deivity. Nos acréscimos, Tárik e Fernandinho tabelaram na entrada da área e o atacante chutou, mas Agenor defendeu. “A gente estava bem no jogo. Infelizmente, acontece de tomar o gol. Nossa equipe, em muitos jogos, tem voltado melhor para o segundo tempo. É corrigir para tentar fazer o gol”, comentou o zagueiro Vitão, no intervalo.

Time mais aberto e segundo gol do adversário

Na segunda etapa, com Jean Dias no lugar de Eduardo, o Criciúma ficou mais perigoso. O esquema foi alterado para o 4-3-3. O camisa 18 levou perigo, já no primeiro minuto, levando perigo ao gol de Deivity. Quase o empate do Tricolor Carvoeiro. O Tigre voltou pressionando os donos da casa. Após cobrança de escanteio, Carlos Alexandre quase empatou aos dois minutos. Grande volume de jogo do Tricolor Carvoeiro no inicio da segunda etapa. Aos quatro minutos, Fernandinho chutou, mas a bola saiu sem força. Boas jogadas para ambos os lados no começo da etapa final. O Criciúma tinha maior comando da partida, mas sofria para levar perigo ao gol do Canarinho. O técnico Roberto Cavalo cobrava mais aproximação dos jogadores para triangulações. Aos 13 minutos, Muriel cobrou escanteio e Neto Pessoa cabeceou mal. Chegada do time da casa, sem perigo. Aos 15 minutos, após cobrança de falta, Andrew tentou cabecear, mas sem força.

Aos 17 minutos, o time da casa ampliou. Boa triangulação do Ypiranga, Tárik tabelou com Leilson que tocou para Muriel na direita. O camisa 2 cruzou e Neto Pessoa completou para a rede: 2 a 0 para o time da casa com muito espaço cedido pelo Tigre no lance do Canarinho. A defesa do Criciúma apenas assistiu o lance. A partir daí, o Tricolor Carvoeiro tentou ir mais ao ataque, mas a bola pouco chegava no centroavante Michel. O Tigre estava sem ímpeto e pouco ameaçava o Canarinho. Aos 24 minutos, em contra-ataque, Neto Pessoa tocou errado para Neto Pessoa, mas recuperou o lance e cruzou para Tárik, que finalizou por cima da trave.

Aos 28 minutos, Caprini partiu em velocidade pela esquerda e tocou para Jean Silva, que bateu fraco e Agenor pegou. Aos 38 minutos, Andrew recebeu um cruzamento na área, mas pegou mal na bola e desperdiçou a chance de descontar. No minuto seguinte, Caprini recebeu na área, mas perdeu a oportunidade. O Criciúma até tentou fazer o chamado gol de honra, mas não teve força, apresentou lentidão e encerrou o jogo com um desempenho bem abaixo do que havia mostrado, até então, na Série C.

Campeonato Brasileiro – Série C – 7ª Rodada

Domingo – 20/09 – 16 horas – estádio Colosso da Lagoa, em Erechim (RS)

YPIRANGA

Deivity; Muriel, Douglas (Luis Eduardo), Reinaldo e Zé Mário; Tarik, Clayton e Zotti (Mossoró); Fernandinho (Caprini), Leilson (Jean Silva) e Neto Pessoa (Kanu). Técnico: Paulo Henrique Marques

CRICIÚMA

Agenor; Carlos César (Rodrigo Milanez), Carlos Alexandre, Vitão e Kaíke (Adenilson); Eduardo (Jean Dias), Adriano, Jean Lucas (Léo Ceará) e Alisson Taddei (Bruno Oliveira); Michel e Andrew. Técnico: Roberto Cavalo

Arbitragem: Paulo Renato Moreira da Silva Coelho. Auxiliares: Gabriel Conti Viana e Rafael Gomes Rosa (trio do RJ)

GOLS: Fernandinho (Y) (39/1T) e Neto Pessoa (17/2T)

Cartão Amarelo: Zé Mário e Jean Silva (Y)

Cartão Vermelho: Não houve

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.