Tigre: Menos de uma semana para a volta

Tigre enfrenta o Marcílio Dias, na próxima terça-feira, e segue treinando, mesmo em meio ao crescimento dos casos de coronavírus

- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Se tudo der certo, na próxima terça-feira, dia 28, o Criciúma enfrentará o Marcílio Dias, pela partida de volta das quartas de final do Catarinense. O primeiro jogo encerrou 0 a 0 e o Tigre precisa vencer, no tempo normal ou nos pênaltis, para seguir na disputa da competição. Ontem, os jogadores treinaram em dois turnos, no CT Antenor Angeloni, aprimorando a parte física e técnica. O treino com contatos entre os jogadores está liberado, assim o técnico Roberto Cavalo pode fazer os chamados trabalhos coletivos.

Para o confronto de volta, Cavalo não poderá contar com o volante Adenilson. Os favoritos para ficar com a vaga são o jovem Christofer e Alisson Taddei. Caso resolva manter o esquema utilizado na primeira partida, o treinador deverá utilizar o primeiro, mas se optar por um time mais ofensivo, com Eduardo e Foguinho como marcadores, ele pode escolher Taddei para atuar ao lado de Carlos César. Essas definições devem acontecer no decorrer da semana. Hoje, o elenco carvoeiro trabalha na parte da tarde.

Nos bastidores, o momento mais aguardado é pela reunião do Conselho Deliberativo do clube, marcada para segunda-feira, dia 27, de forma virtual. Um grupo de empresários e torcedores, liderados pelo ex-presidente Moacir Fernandes, estuda investir no clube, a partir do ano que vem. Atual mandatário e dono da empresa Gestão de Ativos (G.A.) que comanda o futebol do clube, Jaime Dal Farra está entre esses investidores. Ele entraria com um valor bem menor do que investe hoje no Criciúma, mas seguiria participando da diretoria.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.