Público deve voltar aos estádios

Ministério da Saúde aprova estudo da CBF para retorno de até 30% de torcedores às arquibancadas e cadeiras no mês de outubro

- PUBLICIDADE -

Rio de Janeiro

Um apelo antigo da diretoria do Criciúma começa a tomar forma nos bastidores do futebol nacional. A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) ganhou a aprovação do Ministério da Saúde para que as equipes voltem a receber torcedores nos estádios.

- PUBLICIDADE -

As propostas de plano sanitário e de protocolo enviadas ao órgão federal ganharam o aval. O objetivo é liberar a presença de até 30% do público, a partir do mês de outubro, mas ainda sem data definida. Para prosseguir com o plano, porém, será necessário receber a permissão das autoridades sanitárias de Estados e Prefeituras.

Nas últimas semanas, a CBF havia elaborado um rascunho da proposta com informações preliminares. O conteúdo trazia principalmente a limitação para somente a torcida mandante frequentar os estádios. O plano da entidade é, nas próximas semanas, aprofundar a discussão com os clubes para se ter um protocolo mais rígido de conduta e de cuidados com o distanciamento social.

Alguns clubes incentivam o retorno da torcida principalmente para amenizar problemas com bilheteria. Como os jogos têm sido realizados com portões fechados desde o início da competição, as equipes têm acumulado prejuízos com os custos operacionais das partidas. A CBF avalia uma forma de em todos os Estados ser possível ao mesmo tempo retornar a torcida, para não gerar o desequilíbrio competitivo de um time ter público em casa e o outro, não.

Caso haja a liberação de público para os jogos do Criciúma, a capacidade máxima do estádio Heriberto Hülse seria de, aproximadamente, 5000 pessoas. O cálculo é feito em cima da capacidade do estádio: 19.300 pessoas. Porém, novas reuniões ainda devem acontecer até a liberação, de fato, ser registrada.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.