Noite de decisão para o Tigre no Majestoso

Criciúma precisa vencer a Chapecoense por dois gols de diferença para chegar à final do Estadual. Triunfo simples leva o jogo para os pênaltis. Empate favorece ao Verdão. Carlos César é dúvida entre os titulares

- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Balançar as redes de João Ricardo. Essa é a missão dos jogadores do Criciúma, hoje, a partir das 21h30min, diante da Chapecoense, no Majestoso. Com os portões fechados, a motivação virá exatamente da torcida, que não estará no estádio. “Isso nós conversamos inclusive em Chapecó. A nossa torcida, que compra todas as camisas que estão à venda, mostra como ela é forte. Eu não tenho dúvida que a torcida estará em casa assistindo ou ouvindo. Quando chega em uma decisão, com o estádio aberto, faltaria lugar. A nossa torcida está ansiosa pelo título e na expectativa de passar pela Chapecoense. Vamos fazer de tudo para o nosso torcedor, que está há tempo sofrendo”, comenta o técnico Roberto Cavalo.

Precisando marcar gols, o treinador espera que o time seja mais agressivo na partida desta noite. “Tivemos muita dificuldade no jogo de Chapecó. Os primeiros 90 minutos, eles venceram por 1 a 0. Agora tem mais 90. A gente precisa agredir. Tivemos algumas baixas, em termos de rendimentos, não tivemos muitas chances claras e isso dificulta bastante. Dentro de casa, precisamos impor um ritmo mais forte para fazer a vitória”, pontua Cavalo.

O desgaste físico será um ponto decisivo para ambas as equipes. “A Chapecoense também tem desgaste. Para nós, é físico e emocional, pela forma que perdemos. Eu vejo que um erro que tivemos foi fatal e a Chapecoense aproveitou bem. Mesmo desgastado, dá para reverter o 1 a 0 deles”, pontua.

Escalação será definida apenas hoje

O elenco fez o último treino, na tarde de ontem, já no Majestoso. A dúvida é a presença ou não do meia Carlos César. Ele não esteve com os demais jogadores e passará por um teste, hoje, para saber se terá condições ou não de jogo. “O Carlos vai passar por um exame amanhã (hoje) com o doutor, está tudo conversado, se ele tiver condições, vai nos ajudar. Ele quer ir, foi feito exame e estamos analisando. Se for o caso, vai ficar no banco para uma possível entrada. Isso vai ser analisado antes do jogo”, pontua Cavalo.

Na partida de domingo, o jogador não foi poupado, como fez questão de esclarecer o treinador ontem, em entrevista coletiva conduzida pela assessoria do clube, com perguntas enviadas pelos repórteres que acompanham o dia a dia do Criciúma. “Pelo contrário: precisávamos tanto dele que até falei com o doutor para deixá-lo no banco, mas o Carlos não tinha condições de nos ajudar. Infelizmente. Ele é um jogador diferenciado, o nosso artilheiro, e preocupa bastante o adversário. Ele é um exemplo de atleta no nosso grupo. Eu não poupei ele, como não poupo jogadores. Ele só não foi para o jogo porque não teve condições”, comenta Cavalo.

Eduardo e Thiago Henrique estão confirmados para o jogo. Caso Carlos César não atue, a tendência é pela entrada de Jajá , ao lado do campo, com Jean Dias atuando na armação da equipe. A possibilidade não é confirmada por Cavalo. “Haverá uma mudança de atleta, no lado do campo, se o Carlos César não jogar. Não vou adiantar ainda, porque a Chapecoense não precisa ficar sabendo, mas vamos jogar com três atacantes”, diz.

Campeonato Catarinense – Semifinal – Jogo de Volta

Quarta-feira (05/08) – 21h30min – estádio Heriberto Hülse

CRICIÚMA

Agenor; Victor Guilherme, Vitão, Maurício Barbosa e Kaike; Foguinho, Eduardo e Carlos César (Jajá); Jean Dias, Thiago Henrique e Léo Ceará. Técnico: Roberto Cavalo

CHAPECOENSE

João Ricardo; Ezequiel, Joílson, Luiz Otávio e Roberto; Guedes, Anderson Leite e Denner; Matheus Ribeiro, Aylon e Paulinho Moccelin. Técnico: Umberto Louzer

Arbitragem: Rafael Traci; Auxiliares: Kleber Lucio Gil e Henrique de Neu Ribeiro

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.