Criciúma: Clubes esperam resposta do governo

Guia para retorno do futebol é apresentado pela FCF e SCClubes ao COES e posicionamento oficial deve sair ainda nesta sexta-feira

- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Os membros do Centro de Operações de Emergência em Saúde (COES) receberam, através dos dirigentes da Federação Catarinense de Futebol (FCF) e da Associação de Clubes de Futebol Profissional de Santa Catarina (SCClubes), o Guia de Sugestões Protetivas para a Volta do Campeonato Catarinense de Futebol. A entrega aconteceu em reunião realizada na última quarta-feira. Ressaltando o clima de diálogo entre Governo e futebol, os clubes acreditam que até sexta-feira devam receber uma resposta.

No primeiro encontro, que durou cerca de uma hora, na Capital, foi apresentado o estudo que aprofunda a versão anterior da proposta apresentada pelos clubes, bem como define e detalha as ações concretas e cuidados que serão realizados com a volta da competição, incluindo, por exemplo, como devem ser realizadas as viagens (seja de ônibus ou avião) e as hospedagens.

Participaram da reunião o diretor de competições da Federação Catarinense de Futebol (FCF) Fábio Nogueira, o diretor executivo da Associação de Clubes de Futebol Profissional de Santa Catarina (SCClubes) Cláudio Gomes, os médicos Luis Fernando Funchal (Avaí) e Fernando de Lima (Figueirense) e, por parte do COES, Raquel Ribeiro Bitencurt e Simone Stolt.

Visita às dependências dos clubes

Os representantes dos clubes fizeram convite para que os profissionais da Vigilância estadual visitassem os clubes para verificar in loco como estão sendo aplicados os protocolos de saúde e solicitaram que ocorra em junho a autorização do retorno das competições de futebol profissional de Santa Catarina para que, 15 dias após essa decisão, os clubes possam fazer a volta efetiva dos jogos.

Além de garantir que nova rodada de testes para detectar o Covid-19 seria realizada em todos os clubes antes da competição, os dirigentes ressaltaram também que os clubes compreendem que acordo com o Governo poderia ser revogado, total ou parcialmente a qualquer momento, diante da evolução da pandemia e seu impacto na rede de atenção à saúde, bem como em microrregiões de risco diagnosticados na Matriz de Risco do COVID-19.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.