Após início quente, Tigre vacila e cede o empate

Avassalador, Criciúma faz três gols, logo no início da partida, mas diminui o ritmo e deixa o Ypiranga chegar ao placar de 4 a 4. No final, o resultado deixa o time treinado por Itamar Schulle ameaçado de rebaixamento para a Série D

- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Fotos: Celso da Luz/CEC

Decepção. Essa é a palavra que resume o sentimento do torcedor do Criciúma, após o empate em 4 a 4, diante do Ypiranga, na noite desta quinta-feira, no Majestoso. O Tigre foi avassalador, nos primeiros 10 minutos, e fez 3 a 0. O Tigre em nada lembrava aquele time desinteressado e lento dos últimos cinco jogos. Entretanto, a partir daí, o Tricolor Carvoeiro voltou a se desligar do jogo e permitiu uma reação do time gaúcho, que marcou os gols e empatou a partida. Jean Lucas brilhou e marcou duas vezes. Jean Dias fez o terceiro gol do Criciúma. Douglas descontou e Neto Pessoa fez o segundo do Ypiranga. Na segunda etapa, o jovem Eduardo Melo fez o quarto e, quando o jogo parecia vencido, Neto Pessoa fez o terceiro e Tárik, em bola desviada, deixou tudo igual. Com o resultado, o Criciúma fica em uma situação desesperadora na tabela. Em caso de vitória do Boa Esporte, no sábado, o time treinado por Itamar Schulle fica a um ponto da zona de rebaixamento para a Série D.

O Tigre começou a partida como uma avalanche: marcando forte e buscando o ataque. Assim, o time abriu o placar logo no primeiro minuto. Marino fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Jean Lucas, que de “sem pulo” finalizou para marcar. Um golaço do Criciúma: 1 a 0. A alta intensidade carvoeira continuou. Aos sete minutos, Jean Dias fez boa jogada pela esquerda e tocou para Jean Lucas, novamente o camisa 10, na intermediária, que finalizou forte e fez 2 a 0. O massacre do Tigre continuava. Aos nove minutos, Alex Reinaldo cobrou falta pela direita e Jean Dias completou para marcar: 3 a 0 em um frango do goleiro Carlão. Tricolor Carvoeiro avassalador: 3 a 0 em nove minutos. O time gaúcho tentava se encontrar na partida e começou a avançar ao ataque. Aos 15 minutos, o Ypiranga descontou: Mossoró bateu escanteio e, após desvio na primeira trave, o zagueiro Douglas descontou: 3 a 1. A equipe de Erechim tentava se manter viva em campo em um jogo de tirar o fôlego.

A partir daí, o Criciúma buscava se manter no ataque, enquanto o Ypiranga marcava forte e tentava sair nos contragolpes. Aos 23 minutos, Zé Mário apareceu bem pela esquerda e cruzou para Leilson que perdeu incrivelmente o gol. Entretanto, o atacante do time gaúcho estava impedido. Lance de perigo da equipe de Erechim. O Canarinho buscava descontar ainda mais no placar. Três minutos mais tarde, a jogada se repetiu, mas Kaíke antecipou e colocou para escanteio. Aos 27 minutos, Leilson fez bom lance pela esquerda e tocou para Tárik, que apareceu de surpresa, mas finalizou pela linha de fundo. O Criciúma parou em campo.

Aos 32 minutos, Jean Lucas apareceu bem pela direita e bateu forte, mas Carlão espalmou. O camisa 10 carvoeiro era um dos melhores jogadores em campo na partida. Aos 33 minutos, Jean Silva fez boa jogada pela direita e bateu forte, mas a bola saiu ao lado da trave, passando por três jogadores do Criciúma. Na sequência, o Tigre passou a valorizar mais a posse de bola para chegar ao ataque. Aos 43 minutos, Marino deu um chapéu no zagueiro e tocou para Jean Dias, já na área, mas a bola bateu na zaga e saiu. Nos acréscimos da primeira etapa, Marino apareceu pela direita e cruzou para Zeca, mas a bola desviou mal.

Susto e drama no final do jogo

Na etapa final, o Tigre valorizava a posse de bola e buscava o quarto gol. Aos três minutos, Jean Dias recebeu na esquerda e finalizou procurando o ângulo do goleiro Carlão, mas a bola saiu pela linha de fundo. Porém, no minuto seguinte, Jean Silva apareceu pela direita e cruzou para Neto Pessoa, que superou Victor Guilherme, que recém havia entrado, e diminuiu: 3 a 2 e o jogo ganhou caráter de drama para o Tigre. Aos seis minutos, Jean Silva entrou em velocidade e caiu na área, após contato com Agenor. Os jogadores do Ypiranga pediram pênalti, mas o árbitro considerou o choque como normal e nada marcou. Aos 10 minutos, Jean Lucas arrancou em velocidade, tocou para Jean Dias, que cortou o zagueiro e finalizou, mas a bola caprichosamente saiu pela linha de fundo.

Os times reforçaram a marcação e o número de faltas e lances ríspidos aumentou. Mesmo assim, Criciúma e Ypiranga buscavam o ataque. Aos 29 minutos, Nickson cobrou escanteio, a bola esbarrou na mão direita do zagueiro Maurício e sobrou para Eduardo Melo marcar o quarto gol e aliviar a situação do Tigre: 4 a 2. A arbitragem validou o gol. A partir daí, o jogo ficou quente. Aos 39 minutos, Jean Silva cruzou da direita e Neto Pessoa marcou o terceiro. Mais um drama para o Tigre, que acabou, terrivelmente, cedendo o empate. Aos 42 minutos, Cristiano finalizou de longe, a bola desviou em Tárik e entrou. O Criciúma decepciona e cede o empate em um resultado terrível ao time catarinense.

Campeonato Brasileiro – Série C – 16ª Rodada

Quinta-feira (19/11) – 20 horas – estádio Heriberto Hülse, em Criciúma

CRICIÚMA

Agenor; Alex Reinaldo (Victor Guilherme), Rodrigo Milanez, Maurício e Kaíke; Eduardo (Adenilson), Marino, Foguinho e Jean Lucas (João); Zeca (Eduardo Melo) e Jean Dias (Nickson). Técnico: Itamar Schulle

YPIRANGA

Carlão; Muriel, Douglas, Reinaldo e Zé Mario (Assis); Tárik, Clayton e Mossoró (Pedrinho); Jean Silva (Cristiano), Neto Pessoa e Leilson (Quirino). Técnico: Paulo Henrique Marques

Arbitragem: Maguielson Lima Barbosa; Auxiliares: Lucas Torquato Guerra e Renato Gomes Tolentino (trio do DF)

GOLS: Jean Lucas (1/1T e 7/1T), Jean Dias (9/1T) e Eduardo Melo (29/2T) (C); Douglas (15/1T), Neto Pessoa (4/2T) e (39/2T) e Tárik (42/2T) (Y)

Cartões Amarelos: Eduardo, Jean Lucas, Alex Reinaldo, Jean Dias e Foguinho (C); Jean Silva, Douglas e Leilson (Y)

Cartões Vermelhos: Não houve

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.