Pais cancelam matrículas de crianças em creches particulares

A estimativa da Fenep é que dois terços dos estudantes deverão abandonar as creches particulares este ano, o que equivale a cerca de 1 milhão de crianças fora da escola em todo o país

Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil
- PUBLICIDADE -

Pais, mães e responsáveis cancelam a matrícula de alunos de escolas particulares em meio à pandemia do novo coronavírus (covid-19). Os cancelamentos ocorrem principalmente na educação infantil, período em que é mais difícil manter atividades fora da escola. O movimento preocupa o setor, que estima que as creches, que atendem crianças de 0 a 3 anos de idade, percam dois terços das matrículas este ano.

Entre os motivos para tirar os filhos do colégio estão a incerteza de quando as aulas serão retomadas e a perda de renda familiar. Gabriela* é uma dessas mães. Ela precisou tirar a filha, Bianca*, 5 anos, da escola. A família tem, em Goiás, uma fazenda que produz carne e produtos derivados do leite. As vendas reduziram nos últimos meses. Ela procurou a escola três vezes para negociar a redução da mensalidade, que custa cerca de R$ 700. “Falaram que não poderiam fazer nada”, disse.

- PUBLICIDADE -

Gabriela buscou os livros da filha na escola e optou por ensinar em casa. “A escola chegou a disponibilizar aulas pelo WhatsApp, mas não foi bacana. Não dá para criança de 5 anos ter aula sozinha online, precisa ter disciplina, a mãe precisa estar junto”, disse. “Agora estou tentando manter a rotina. Acordando cedo, brincando um pouco com ela, fazendo as tarefas. Não está sendo fácil”, acrescentou.

Joice* também optou por cancelar a matrícula da filha, Amanda*, de 4 anos. “Começamos a pensar possibilidades de volta e a gente não acha que, na idade dela, essa volta vá acontecer de maneira minimamente segura até o fim do ano”. A escola de Amanda custa cerca de R$ 2,5 mil, valor que começou a pesar diante das instabilidades causadas pela pandemia.

Eles mantiveram o pagamento até abril. Procuraram a escola em busca de um desconto. A instituição ofereceu a redução de 14% e não se mostrou aberta a reduzir mais. “Amanda não suporta atividades online. Ela ficava mais angustiada, eu não queria colocar isso como mais uma tarefa para ela”, disse. Os pais decidiram, então, que seria melhor cancelar a matrícula.

Impacto no setor

Os cancelamentos das matrículas, de acordo com o presidente da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), Ademar Batista Pereira, preocupam. “Tem uma debandada, principalmente da educação infantil, da primeira etapa, até os 3 anos de idade. Está saindo muita gente. Nessa etapa, a escola tem o trabalho de cuidar e educar, o ensino remoto é difícil”, afirmou.

A estimativa da Fenep é que dois terços dos estudantes deverão abandonar as creches particulares este ano, o que equivale a cerca de 1 milhão de crianças fora da escola em todo o país, o que levará ao fechamento de muitos desses estabelecimentos. A preocupação é que, com a retomada das aulas, sem as escolas, as crianças não consigam ser matriculadas na rede pública, que já sofre com falta de vagas na etapa, nem na particular.

Com informações da Agência Brasil

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.