Comitê projeta o futuro de Araranguá

União de 17 entidades civis organizadas traça plano para curto, médio e longo prazo da cidade. Intenção é direcionar os próximos 20 anos do município

Foto: Arquivo / TN
- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Araranguá

- PUBLICIDADE -

Um conjunto de 17 entidades de Araranguá se reuniu para montar um comitê e definir planos para o futuro da cidade a curto, médio e longo prazo. O objetivo do trabalho desenvolvido pelas organizações é projetar melhorias que possam dar um destaque ainda maior aos potenciais investidores na cidade. “A ideia do comitê partiu de mim e do presidente da Aciva, na época, o André, e surgiu no ano passado ainda. Temos muitas ações pontuais e começamos a visualizá-las para o longo prazo” comenta a contadora e coordenadora do comitê, Gabriele Gil Gomes.

A ideia não é exatamente nova, mas, sim, um resgate de algo que já existia na cidade. “Há algum tempo, nós tínhamos cinco entidades bem fortes e unidas: a OAB, Sindilojas, CDL, Aciva e Sindcont. Naquela época, conseguimos bastantes coisas, mas isso meio que se perdeu. A ideia é retomar a força das entidades civis organizadas”, pontua. A intenção é projetar um bem maior para Araranguá. “Sentimos necessidade de unir forças em prol de algo não para entidades específicas, mas para a cidade como um todo. Diante da morosidade do prefeito e das coisas que não caminham, resolvemos agir”, ressalta. “De imediato, unimos outras entidades que julgamos pertinentes. Não precisaria ficar só nas cinco. Hoje, são 17 entidades participando do comitê”, completa Gabriele.

Projeto em quatro etapas

A coordenadora explica que o projeto é dividido em quatro etapas. Tudo começou com um levantamento de uma série de dados econômicos, fiscais e financeiros de Araranguá, realizado pelo Sebrae no município. “Foi um levantamento econômico, financeiro e demográfico dos municípios, nos últimos dez anos, ou de onde se conseguiu pegar. Foi analisado tudo o que é produção de indústria, comercio, empregos e mão de obra. É um relatório bem grande”, diz.

Gabriele diz que o levantamento foi positivo para mostrar como Araranguá está situada, em relação a Santa Catarina e no sul do país, em termos de números.“Em uma segunda etapa, foi feita a análise dos dados e a apresentação destes aos empresários da região, lideranças e instituições, que propuseram ideias para o desenvolvimento do município. Foram analisadas empresas maiores e menores. Uma amostragem bem legal e que nos deu um norte”, comenta.

Já na terceira etapa, foram levantados potenciais de Araranguá – com alguns destaques que surpreenderam os próprios trabalhadores. “São situações diferentes, que não esperávamos, mas bem positivas. Se pegar na parte do agronegócio, somos balizador do preço do maracujá. Nós produzimos uma grande quantidade e regulamos o preço do maracujá no Brasil. Isso surpreende. A produção é boa em quantidade e qualidade”, destaca.

O potencial turístico do local também será explorado. “Não que virão grandes indústrias hoteleiras, mas existem outros meios de explorar isso: pelos rios, que são navegáveis, e praias. As ilhas são muito bonitas”, ressalta.

Logística também será explorada

Um ponto importante é a localização geográfica de Araranguá: entre Florianópolis e Porto Alegre, além de fácil ligação com as serras catarinense e gaúcha. “Com a 285 pronta, vai, no mesmo tempo, até Caxias do Sul. É a maior cidade da Serra Gaúcha. Temos um potencial grande”, lembra Gabriele.

Esse ponto servirá para atrair investidores. “Temos um potencial logístico: por estar perto de capitais, portos e aeroportos. Porque não se tornar um centro de distribuição de alguma empresa, como foi cogitado o Mercado Livre ou outros que possam vir. Para isso, existe um aspecto político: facilidades, benefícios e incentivos”, diz a coordenadora.

A qualidade de vida da cidade também será valorizada no projeto. “Temos a questão de qualidade de vida. A cidade tem tudo isso e ainda oferece tranquilidade, em uma região plana e permite ciclovias. Temos aspectos próximos de natureza”, comenta.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.