Empresário Roberto Angeloni morre em acidente na BR-101, em Tijucas

Carro de luxo em que dirigia colidiu em um poste e se despedaçou

- PUBLICIDADE -

O empresário criciumense Roberto Angeloni, de 51 anos, morreu nesse domingo, dia 28, em um grave acidente de trânsito na BR-101, em Tijucas. A fatalidade ocorreu por volta das 11h30min, em frente a um posto de combustíveis, conhecido como Tijuquinhas, no km 185 da rodovia nacional. A Polícia Rodoviária Federal (PRF) confirmou as informações.

O veículo, uma Mercedes AMG-GT, com placas de Criciúma, avaliado em mais de um milhão de reais, colidiu em um poste, após se chocar com uma Ford Ranger e se partiu no meio. O condutor teve morte instantânea. O local é conhecido, por motoristas que trafegam na região, por ter um desnível na pista. Esse pode ter sido um dos fatores que ocasionaram a tragédia. A alta velocidade, característica desses modelos de carros, também pode ter colaborado para o acidente.

- PUBLICIDADE -

Roberto era diretor da rede Angeloni, em Curitiba, onde residia atualmente. Ele passou a última semana em Criciúma e retornava para a residência dele. Há uma grande comoção de amigos e familiares, através das redes sociais, com a morte do empresário, que é filho que Antenor Angeloni, ex-presidente do Criciúma Esporte Clube, e irmão de Henrique e Cristina. “Lembro dele em minha saudosa infância. O pai Antenor Angeloni sempre foi muito amigo do meu pai. Em lágrimas escrevo este texto, pois tenho uma enorme admiração pela família que abriu as portas de sua casa para ter meu pai como irmão”, escreve uma amiga da família. 

Ainda não há mais informações sobre velório e sepultamento do empresário criciumense. A assessoria da rede de supermercados informou que vai emitir uma nota de pesar. 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.