Insatisfeitos com proposta, mineiros da região devem entrar em greve

Assembleia que acontece no sábado, dia 22, pode definir o rumo da categoria. Caso aconteça, paralisação deve ser feita parcialmente

- PUBLICIDADE -

Os avanços da primeira mesa de negociações realizada pela Federação Interestadual dos Trabalhadores na Indústria da Extração de Carvão dos Estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, juntamente com os Sindicatos dos Mineiros da região, não foi satisfatória. A proposta apresentada através do Sindicato de Indústrias de Extração de Carvão de Santa Catarina (Siecesc), que representa os empregadores, foi abaixo do esperado e não agradou a categoria. Uma nova reunião está prevista para o próximo sábado, dia 22, e poderá determinar os rumos de uma greve parcial, com apenas uma carbonífera sem atividades inicialmente.

De acordo com o presidente do Sindicato de Criciúma, Djonatan Elias, o “Pirigueti”, a proposta não alcançou o que a categoria espera por parte das empresas e houve um descontentamento. “Há sim um risco eminente de greve no setor, naquele molde de uma empresa por vez. Houve um pouco de avanço no piso, aumentou pouca coisa, não supre e não chega nem perto do que os mineiros estão esperando de reajuste salarial. Eles não querem discutir a estabilidade de pré-aposentadoria e o plano de saúde”, comenta.

- PUBLICIDADE -

Ainda conforme o presidente, na última assembleia os trabalhadores já saíram com a data da próxima reunião definida. “Será unificada com todos os sindicatos mineiros da região. Também foi definido que, se a proposta for rejeitada ou não agrade a categoria, nessa próxima reunião já seria sorteada a primeira carbonífera a ser paralisada, não haverá uma paralisação total, irá parar uma, depois outra, até parar todo o setor. Fomos autorizados a negociar por empresas separadas, não somente com o Siecesc, então podemos dizer que ficou tranquila essa negociação”, acrescenta.

Sindicato Patronal oferece 5% de reajuste salarial

Segundo o diretor executivo do Siesesc, Cel. Márcio José Cabral, o pedido oficial dos sindicatos dos mineiros, registrado em ATA, é de 8,22%, valor que está fora de qualquer realidade no país. “Oferecemos 100% do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), 4,48% + 11% de ganho real. O reajuste que oferecemos, 5% no total, é o maior reajuste para uma categoria privada no Brasil, no mês de Janeiro”, avalia.

Na sexta feira, dia 21, haverá uma audiência de conciliação no tribunal Regional do Trabalho, em Florianópolis, solicitada pelo Siecesc, para tentar conciliar o assunto. A próxima Assembleia irá ocorrer na sede da Associação do Sindicato dos Mineiros de Siderópolis, a partir das 8h30min, e deve reunir trabalhadores dos municípios de Criciúma, Treviso, Lauro Müller, Urussanga, Içara e Cocal do Sul.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.