Estadual: Lei garante vacinação em casa para pessoas com dificuldade de locomoção

De autoria do deputado Sergio Motta (Republicanos), a referida lei busca oferecer prevenção em saúde, dignidade e garante uma solução para que as pessoas que sofrem com dificuldades de locomoção, seja ela permanente ou temporária, possam ser vacinadas no conforto de casa.

- PUBLICIDADE -

Está em vigor em Santa Catarina, a Lei nº 17.911, de janeiro de 2020 sancionada pelo governador Carlos Moisés que determina a vacinação domiciliar para todas as pessoas com deficiência motora, multideficiência, dificuldade de locomoção, doenças incapacitantes e degenerativas.

De autoria do deputado Sergio Motta (Republicanos), a referida lei busca oferecer prevenção em saúde, dignidade e garante uma solução para que as pessoas que sofrem com dificuldades de locomoção, seja ela permanente ou temporária, possam ser vacinadas no conforto de casa.

- PUBLICIDADE -

A orientação do parlamentar é que a partir de agora, a população que se enquadra nestes termos, procure seus direitos. É importante que alguém da família avise desta necessidade na unidade de saúde mais próxima, ou diretamente para a agente de saúde. “O assunto é muito sério e não podemos perder tempo. Todos sabemos o quanto as vacinas são essenciais para blindar o organismo de vírus e bactérias. Vacinar em casa é o mínimo de respeito que podemos ter com o cidadão, isso simboliza o que tanto falamos em defesa dos direitos humanos”, alertou.

Sergio Motta lembra que vacinar em casa garante inclusive filas menores nas unidades de saúde. “É importante que saibamos nos colocar no lugar do outro. Não podemos permitir que o sistema siga como está, tendo o cidadão que dar jeito para garantir sua saúde”, concluiu.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.