Capivari: casal condenado a 50 anos por tentar matar filha de dois meses

No decorrer do processo, a mãe da criança também foi acusada pelos crimes de tortura-castigo e tentativa de homicídio

Fórum de Tubarão. Divulgação.
- PUBLICIDADE -

Capivari de Baixo

O Tribunal do Júri condenou a 50 anos de prisão um casal acusado de torturar e tentar matar a filha de apenas dois meses. O crime aconteceu entre os meses de maio e julho de 2018, em Capivari de Baixo, no Sul do Estado, e foi investigado pela Polícia Civil. O Conselho de Sentença, representado por sete jurados, reconheceu parcialmente a culpabilidade do casal, e o juiz-presidente da sessão sentenciou o casal a penas privativas de liberdade que juntas somam os 50 anos de prisão.

- PUBLICIDADE -

A motivação do crime, conforme apurado nas investigações, envolvia desconfiança e suspeita de traição por parte do pai da criança, que não aceitava o fato de ela apresentar cor da pele mais clara que a do casal, motivo pelo qual castigava severa e constantemente a criança com socos, pontapés e cotoveladas.

A criança deu entrada em um hospital da cidade de Tubarão quatro vezes, em curto espaço de tempo. Ela apresentava sinais de convulsão, sangramento na boca, afundamento craniano e lesões nos braços, pernas e costas, despertando nos médicos suspeitas de que as lesões eram decorrentes de agressões domésticas dolosas.

O Conselho Tutelar foi acionado e levou a denúncia à Polícia Civil de Capivari de Baixo, que agiu rápido. O pai da criança foi preso por crime de tentativa de homicídio. Desde então, o homem se encontrava preso preventivamente. No decorrer do processo, a mãe da criança também foi acusada pelos crimes de tortura-castigo e homicídio qualificado na forma tentada, porque deixou a filha sofrer tais crimes, sem informar a autoridade para protegê-la. O casal está no Presídio de Tubarão à disposição da Justiça.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.