Severino vive

A coluna completa você confere na edição do Tribuna de Notícias

- PUBLICIDADE -

Na obra-prima de João Cabral de Melo Neto, o poema dramático “Morte e Vida Severina”, escrito entre 1954/55, transformou em poesia visceral a condição do retirante nordestino, sua morte social e miséria. O personagem Severino em sua trajetória do agreste rumo ao Leste (litoral) assiste a muitas mortes e, de tanto vagar, termina por descobrir que é justamente ela, a morte, a maior empregadora do sertão. É a ela que devem os empregos, do médico ao coveiro, da rezadeira ao farmacêutico. Se vivo estivesse, o nobre poeta e diplomata pernambucano mudaria o rumo de seu personagem, faria com que o retirante pegasse o sentido Oeste, rumo à floresta. Pelos dados do Site Transparência/Registros, os brasileiros menos afetados pelas ações de prefeitos e governadores foram aqueles que tiveram mais chances de sobreviver em 2020.

O conteúdo completo você acompanha na edição impressa do Jornal Tribuna de Notícias ou no TN Digital. Leia esta e muitas outras colunas, ligue para o (48) 3478-2900 e assine!

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.