Estrela complicada

Leia a coluna completa no Jornal Tribuna de Notícias

- PUBLICIDADE -

“Ava Gardner andou aqui pelo Rio. A famosa estrela de Hollywood chegou, foi para o Hotel Glória, comeu, bebeu, gritou, chorou, verteu águas nos tapetes,  depredou o hotel, foi expulsa pelo senhor Eduardo Tapajós e transferiu-se para o Copacabana Palace. Lá chegou às cinco horas da manhã. Dormiu o dia inteirinho, enquanto os jornais noticiavam em manchetes as ocorrências da madrugada, com o escândalo que o caso merecia. A Embaixada de seu país ficou preocupadíssima. Harry Stone, public relations dos atores norte-americanos que nos visitam, os quais nem sempre primam pelas suas maneiras, tentou explicar, como pôde, as encrencas que a estrela provocara.
Só às sete horas da noite Ava – balzaquiana em flor – acordou já em fim de pileque, e pediu o café da manhã.  Explicaram-lhe que no Brasil àquela hora só se servia o jantar e Ava Gardner acabou comendo qualquer coisa. Depois dispôs-se a receber os fotógrafos e jornalistas. Já então os cronistas sociais , como se fossem cronistas cinematográficos,  procuravam tomar conta dos artistas de Hollywood que aqui vinham. E havia na entrevista coletiva  mais repórteres elegantes do que no cinema…”
Do livro “Café- Society”, de 1956, de José Mauro Gonçalves, que conta tudo da sociedade carioca, época que o Rio ainda tinha  sociedade,  minha leitura da quarentena. Espetacular.
O conteúdo completo você acompanha na edição impressa do Jornal Tribuna de Notícias ou no TN Digital. Leia esta e muitas outras colunas, ligue para o (48) 3478-2900 e assine!

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.