Projeto de implantação do Serviço Aeromédico do Sul é apresentado na Unesc

Comissão esteve reunida na tarde desta sexta-feira

- PUBLICIDADE -

Criciúma

O projeto do Serviço Aeromédico do Sul catarinense foi apresentado na tarde desta sexta-feira (9/8) na Sala dos Municípios da Unesc, para a comissão de implantação, formada por representantes de instituições e do poder público da Amesc, da Amrec e da Amurel. Os participantes fizeram apontamentos e deram contribuições com o objetivo de alinhar o projeto para posteriormente, ser apresentado para os prefeitos das três microrregiões.

- PUBLICIDADE -

Antes de apresentar aos representantes do executivo, a comissão definiu que o seu presidente, o vereador Tita Belloli e o coordenador do Serviço de Urgência e Emergência de Criciúma e membro da comissão, Fabiano Armando, irão dialogar sobre o projeto com o secretário de Saúde de Criciúma, Acélio Casagrande.

O modelo do Serviço Aeromédico foi inspirado no trabalho desenvolvido na região de Chapecó e tem entre seus objetivos diminuir o tempo resposta de chegada ao atendimento da ocorrência e manter a organização no atendimento, estabilizar a vítima no local do evento, diminuir sequelas relacionadas ao evento e realizar transporte de pacientes graves entre as instituições.

A ideia uma cobertura de Passos de Torres a Imbituba, totalizando 50 municípios do Sul de Santa Catarina. “O serviço resultará em qualidade de vida para a população e um tempo menor de resposta para urgências e emergências. O objetivo agora é sensibilizar os prefeitos para que o projeto de implantação saia do papel”, comenta Belloli.

O projeto de implantação foi apresentado pela secretária da comissão e coordenadora do CER (Centro de Referência em Reabilitação), Mágada Tessmann, com a contribuição do Serviço de Urgência e Emergência de Criciúma. Segundo ela, na Amesc, Amrec e Amurel, uma população de quase 1 milhão de pessoas terá cobertura do Serviço Aeromédico e poderá inclusive colaborar em situações de calamidade ou acidentes que coloquem em risco a população e o paciente precise ser estabilizado para ser transportado. “O atendimento médico móvel também poderá colaborar em emergências clínicas, cirúrgicas, traumáticas e psiquiátricas. A rede de urgência e emergência é transversal às demais redes e poderá atuar em situações que envolvam gestantes, pessoas em surtos psiquiátricos, infartos, AVC, por exemplo. A atuação do aeromédico pode ser um fator determinante para que o paciente não venha a participar da rede com deficiência ou participe apenas de forma temporária”, comenta.

De acordo com o médico Vanderlei Damin, representante dos hospitais na comissão, a otimização do tempo de resposta em casos de urgência e emergência faz toda a diferença para o paciente. “Estamos em uma região de geografia e tempo que muitas vezes não colaboram e transporte feito basicamente por via rodoviária. Esses são pontos que geralmente trabalham contra a agilidade na hora do atendimento. O Serviço Aeromédico vai otimizar o trabalho dos profissionais de saúde, já que o paciente começará a ser atendido em uma UTI móvel, o que colabora com a estabilização do quadro. E isso, com certeza, faz a diferença entre a vida e a morte”.

A comissão de implantação do Serviço Aeromédico é formada por representantes da: Unesc, Câmara de Vereadores de Criciúma, Corpo de Bombeiros, Amrec, Amesc, Amurel, Acic, Samu e prefeitura de Criciúma. O Saer (Serviço Aeropolicial), também participa da elaboração do projeto. Esse serviço da Polícia Civil chegou ao Sul catarinense em novembro de 2016 e atua em questões plenas de segurança e situações emergenciais de saúde.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.