Morte em presídio foi homicídio

Cinco envolvidos no crime foram presos preventivamente pela Polícia Civil. Inicialmente, caso era tratado como suicídio

Foto: Divulgação

- PUBLICIDADE -

Lucas Renan Domingos

Redação

- PUBLICIDADE -

A Polícia Civil de Criciúma deu cumprimento a cinco prisões preventivas nesta segunda-feira, 22, por conta de um homicídio ocorrido no Presídio Regional de Criciúma. Na data do dia 27 de dezembro de 2018, Leandro da Souza da Silva, de 38 anos, foi encontrado enforcado e pendurado na unidade prisional.

As investigações da Divisão de Investigação Criminal (DIC), sob a responsabilidade André Milanese, apontaram os cinco envolvidos no crime, todos atualmente já detidos no presídio. “Inicialmente o caso foi tratado como suicídio. Mas no decorrer da investigação se apurou que Leandro havia sido asfixiado por esganadura e na sequência pendurado na grade para forjar o suicídio”, afirmou o delegado.

Como o crime aconteceu

As diligências ainda deram conta de que a vítima foi morta por um golpe de “mata-leão” por ser considerado “cagueta”, delator na gíria do crime. Dos cinco envolvidos, três ficaram segurando Leandro, um aplicou o mata-leão e outro ficou vigiando o local para que não houvesse a aproximação de agentes penitenciários. Dois deles ainda tinham a determinação de uma facção criminosa para matar a vítima.

Os cinco reclusos foram indiciados pelo crime de homicídio qualificado pelo motivo torpe, com emprego de asfixia e mediante recurso que dificultou a defesa do ofendido. Eles devem responder ainda pelo crime de fraude processual, por terem inovado artificiosamente na cena do crime. A Polícia Civil representou pela decretação de suas prisões preventivas, já que todos ainda se encontravam presos em decorrência de outros crimes.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.