Com edital dos pedágios publicado, audiência pública buscará reverter situação

Evento será realizado hoje em Tubarão, e determinará os próximos passos. Leilão de concessão do trecho Sul da BR-101 está marcado para o dia 21 de fevereiro

- PUBLICIDADE -

Tubarão/Brasília

Enquanto as lideranças do Sul ainda tentam mudar a situação, o Governo Federal deu mais um passo para a instalação de praças de pedágio na região. A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou o edital de concessão do trecho da BR-101 que vai de São João do Sul, nas proximidades da divisa com o Rio Grande do Sul, até Paulo Lopes, na Grande Florianópolis. O leilão está marcado para o dia 21 de fevereiro, na B3, sede da Bolsa de Valores, em São Paulo. O edital prevê a tarifa-máxima de pedágio de R$ 5,19 e o vencedor será aquele que oferecer o menor valor. Além do pedágio instalado em Palhoça, está prevista a instalação de outras quatro praças: Laguna (quilômetro 298), Tubarão (quilômetro 346, no limite com Treze de Maio e Jaguaruna), Araranguá (quilômetro 408, no limite com Maracajá), e São João do Sul (quilômetro 460, no limite com Passo de Torres). O trecho total possui 220 quilômetros de extensão e o vencedor ficará com a concessão por 30 anos.

- PUBLICIDADE -

O edital

O trecho concedido irá englobar diretamente 17 municípios: São João do Sul, Santa Rosa do Sul, Sombrio, Araranguá, Maracajá, Criciúma, Içara, Sangão, Jaguaruna, Treze de Maio, Tubarão, Capivari de Baixo, Pescaria Brava, Laguna, Imbituba, Garopaba e Paulo Lopes.No edital, estão previstos investimentos da ordem de R$ 7,37 bilhões ao longo do período da concessão. A empresa vencedora terá que construir, entre outras intervenções, 70 quilômetros de vias marginais, 98 quilômetros de faixas adicionais, 25 pontos de ônibus, 18 passarelas e 23 rotatórias. Além disso, 100% do trecho deverá ser monitorado por meio de câmeras, painéis de mensagem e sensores de tráfego. A ANTT prevê que quase 4 mil serão gerados com a concessão. Também é estimado o retorno de R$ 645 milhões aos municípios por meio da arrecadação da alíquota de ISS.

Evento mantido

No último mês, deputados de todo o Estado se reuniram com a ANTT e também com o ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, com o objetivo adiar a publicação do edital, já que após isso, seria difícil parar o processo. O pedido, porém, não foi aceito. Por isso, um evento nesta sexta-feira é visto como a última cartada para mudar tanto o número de praças de pedágios como os valores das tarifas.A Comissão de Transportes e Desenvolvimento Urbano, da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), promove hoje uma audiência pública para debater a instalação das praças de pedágio. O evento está marcado para as 9h, na Arena Multiuso Estêner Soratto da Silva, em Tubarão.Para o deputado estadual Volnei Weber (MDB), proponente da Audiência Pública, a publicação do edital não mudará o evento. Pelo contrário, servirá para definir os próximos passos.

“Continua do mesmo jeito. A audiência pública vai servir para a manifestação do povo, para termos um documento oficial do nosso Estado, já que as outras audiências foram feitas pelo (Governo) Federal. Os deputados estaduais e federais estarão lá, ou representados. Da ANTT vai vir alguém? Convidados foram. Do Ministério da Infraestrutura vem alguém? Convidados foram. E esperamos a população. Andorinha sozinha não faz verão. O nosso resultado vai depender muito da vontade da população em estar presente. Nós buscamos o dialogo, e até agora nada. Não é porque divulgaram (o edital) que a noiva está casada. Podemos perder. Mas não vamos perder sentados e calados. Se perdermos, vamos perder lutando”, destaca.

Confira a matéria completa no Tribuna de Notícias desta sexta-feira

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.