Proximidade entre pai e filhos até no ambiente de trabalho

Para ficar mais perto da família, Antônio aceitou a proposta de emprego na mesma empresa que Gabrielli e Marco Antônio

Foto: Lucas Colombo/TN
- PUBLICIDADE -

Nova Veneza/Criciúma

Estar presente na vida dos filhos nem sempre é fácil, mas é algo que os pais costumam prezar no cotidiano. Quando o destino faz com que a proximidade se estenda além do ambiente familiar, surge uma forma de estreitar ainda mais os laços e o afeto entre eles. Foi essa a oportunidade que Antônio Janir Zuchinalli, de 44 anos, abraçou com carinho. Há pouco mais de um ano, os filhos Gabrielli, de 21 anos, e Marco Antônio, de 19, deram um jeito de “levar” o pai para trabalhar na mesma empresa que eles, em Criciúma.

- PUBLICIDADE -

A trajetória da família de Nova Veneza iniciou em 2016, quando Gabrielli e Marco Antônio ingressaram no projeto Jovem Aprendiz da La Moda. Depois de um ano, eles foram efetivados e, logo em seguida, surgiu a proposta para Antônio se juntar a eles na empresa. “Eu trabalhava em outro lugar, só que era de madrugada. Aí eu comentei com os dois: ‘Ó, o pai recebeu uma proposta para trabalhar lá com vocês. O que vocês acham?’. E eles disseram para eu aceitar. Então falei que iria conversar com o meu chefe e ver o que ele dizia, quem sabe até me ofereceria um aumento. Só que o Marco Antônio disse que dinheiro não era tudo e que eu tinha que ficar mais tempo com eles, porque a gente se via pouco. Então esse foi um dos motivos que me fez aceitar”, narra o pai, animado.

Para Antônio, a experiência tem sido bem positiva, já que essa possibilidade não era cogitada por ele. “Eu nunca imaginei poder trabalhar junto com os dois. É algo que não tem explicação. É bem bacana, pois estamos mais próximos”, destaca.

Ainda mais cumplicidade

Essa mesma opinião é compartilhada pelos dois filhos, que gostam da companhia do pai. “Para mim, está sendo bem bom, porque tem essa questão da proximidade. Antes a gente se via pouco e agora estamos praticamente 24 horas juntos, conversamos bastante”, ressalta Marco Antônio.

Mesmo que de forma singela e em pequenos gestos, essa proximidade ajuda a reforçar a cumplicidade entre eles. “Para mim, está sendo bem bacana. Por mais que a gente não passe o dia inteiro juntos, já que somos de setores diferentes, mas eu tenho bastante contato com os dois. Como eu trabalho com Compras, ando bastante pela empresa e, de vez em quando, passo por lá e um me chama para me dar um ‘oi’ ou faz um sinalzinho”, conta Gabrielli.

Confira a reportagem completa na edição deste fim de semana do jornal Tribuna de Notícias. 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Nova Veneza/Criciúma

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.