- PUBLICIDADE -

Içara

Construída em estilo barroco, a Capela Santo Antônio se tornou um símbolo da trajetória, devoção e cultura da comunidade de Linha Anta, em Içara. Pintada em cores claras, com detalhes em azul, a antiga igrejinha acompanha as lembranças e a vida dos moradores da localidade há quase um século, desde que foi construída pelas famílias Guedin e Frasson. Como vem sendo desde o início, a ligação histórica entre os habitantes e o templo religioso terá mais um momento marcante nesta sexta-feira, 29, às 18h, com a reinauguração desse patrimônio municipal.

- PUBLICIDADE -

Negligenciada durante praticamente uma década, a capela passou recentemente por um processo de restauração. Há três meses, o pedido dos moradores da Linha Anta finalmente foi atendido pelo Município, quando um acordo foi firmado. “A igrejinha estava abandonada, ia acabar caindo com o tempo. Assim, em parceria com eles, ela foi recuperada. A gente entrou com o material de construção e a Prefeitura com a mão de obra. Então, para nós, é uma felicidade grande”, conta a coordenadora do Conselho de Assuntos Econômicos Paroquiais (Caep) da igreja de Linha Anta, Clélia Magagnin Ghedin.

O trabalho de restauro foi feito pela Construtora Locks, após uma parceria entre a empresa e a Prefeitura de Içara. Já os materiais foram adquiridos pelos próprios moradores, que contaram também com o apoio de empresários.

Novas utilizações do espaço

De acordo com a coordenadora, a comunidade já projeta esse novo capítulo na história da capela, que tem capacidade para receber até 50 pessoas. “Ela vai continuar sendo um patrimônio histórico de Içara, mas nós vamos utilizá-la como sala de catequese e local para velórios. Mas não será nada visto como capela mortuária, pois ela vai continuar sendo um patrimônio”, detalha Clélia.

Dessa forma, segundo ela, será mais fácil conservar o ambiente, evitando que ele volte a se deteriorar. “Assim a comunidade vai conseguir manter a igrejinha. Porque, quando tiver catequese, ela será aberta e alguém já vai dar uma varrida. Se precisar usá-la para algum velório, também vai ter movimentação ali”, exemplifica a coordenadora do Caep.

Confira a reportagem completa na edição desta sexta-feira, 29, do jornal Tribuna de Notícias. 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Içara

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.