Criciúma: Entidades unem forças para combater a violência contra a mulher

Jornada promovida pela Comissão da Mulher Advogada da OAB Criciúma chama atenção para índices de casos registrados em Santa Catarina

- PUBLICIDADE -

Criciúma

Quem passou pelo hall do Auditório Jayme Zanatta, na Associação Empresarial de Criciúma (Acic), ficou sabendo que nos últimos cinco meses Santa Catarina registrou 10.263 ameaças a mulheres, além de 5,4 mil lesões corporais dolosas e 10 estupros por dia. É para diminuir esses dados que a Comissão da Mulher Advogada da OAB Criciúma decidiu promover a primeira Jornada de Enfrentamento da Violência Contra a Mulher, uma união de forças entre entidades e sociedade.

- PUBLICIDADE -

O Brasil é o quinto país do mundo no ranking da violência contra o público feminino. Mais um índice debatido no evento que iniciou na noite de quinta-feira e que segue durante esta sexta à tarde e à noite. “Infelizmente, nós ainda temos que falar muito sobre esse assunto. O nosso país é o quinto no mundo em violência contra a mulher, então, essa é uma briga na qual nós temos sim que meter a colher”, disse Luciane Mortari Zechini, secretária geral-adjunta da OAB Santa Catarina, primeira palestrante da jornada.

Além dos profissionais da advocacia, a jornada também abrangeu palestras de convidados de outras áreas, como delegados da Polícia Civil, oficiais da Polícia Militar e representantes de grupos de defesa dos direitos das mulheres. Na plateia, um público diversificado contribuiu com ideias e experiências sobre o tema. “Esse não é um evento técnico para a advocacia, é uma jornada aberta a toda a sociedade e que mostra que a OAB está muito além de seus muros. Eu parabenizo a Comissão da Mulher Advogada, que trabalhou incansavelmente nas últimas semanas, porque nós temos que promover esse tipo de encontro e buscar soluções para que possamos sair dessa posição vergonhosa de quinto país no ranking da violência contra a mulher”, pontuou o presidente da OAB Criciúma, Rafael Búrigo Serafim.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.