Criciúma: camelódromo receberá melhorias na parte elétrica

Licitação lançada pelo Município se volta à elaboração de projetos complementares para que seja possível modernizar o sistema no antigo prédio da prefeitura

Foto: Lucas Colombo/TN
- PUBLICIDADE -

Criciúma

Quem frequenta o antigo prédio da prefeitura de Criciúma, popularmente conhecido como camelódromo, facilmente observa problemas estruturais em salas e corredores. Um dos mais graves, que envolve a parte elétrica do imóvel, será resolvido pelo Município, que encaminha um processo licitatório para a elaboração dos projetos complementares para a obra. A abertura do certame, com as empresas convidadas pela Administração e demais interessadas no trabalho, será na próxima quarta-feira, 13.

- PUBLICIDADE -

Como o sistema do imóvel é antigo, esse ponto tem gerado preocupação em quem trabalha ou transita pelo local. “A gente quer mudar porque está dando muitos problemas e existe um transformador ali dentro. Então essa reforma é para a parte elétrica, de prevenção de incêndio, de ventilação e do SPDA, que é o Sistema de Proteção de Descargas Atmosféricas”, pontua a secretária de Infraestrutura, Planejamento e Mobilidade Urbana de Criciúma, Kátia Smielevski.

Adoção de novo modelo

O intuito é renovar a rede para conseguir suportar a demanda crescente por energia, como a instalação de condicionadores de ar e outros aparelhos. “Queremos fazer um sistema em que cada loja tenha um medidor separado, porque hoje todos estão com medidor único, que é a Prefeitura que paga. Então, agora, vai ter um medidor para cada box, para ser como funciona em um condomínio”, explica.

Confira a reportagem completa na edição deste fim de semana do jornal Tribuna de Notícias. 

 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Criciúma

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.