Araranguá: queda de encosta segue há cinco meses sem solução

Desmoronamento atingiu trecho de via conhecida como “Beira-Rio”. Custo elevado da obra fez Município adiar primeiro projeto

Foto: Lucas Colombo/TN
- PUBLICIDADE -

Araranguá

O bloqueio parcial na Rua Rui Barbosa, mais conhecida como “Beira-Rio”, já dura cinco meses, dificultando o tráfego de veículos em um dos acessos à área central de Araranguá. Iniciado em maio, após uma parte da encosta desabar no rio que dá nome à cidade, o problema aguarda por uma solução por parte da Prefeitura. Depois de o primeiro projeto se mostrar momentaneamente inviável, a Administração Municipal estuda um “plano B” para restabelecer o trânsito nesse segmento.

- PUBLICIDADE -

De acordo com o secretário de Obras do município, Guilherme Peruchi, possivelmente os trabalhos de contenção no local iniciem até a próxima semana. “A gente já está, há umas duas semanas, estudando um meio-termo, uma segunda alternativa. Então é uma solução que a gente pretende iniciar o mais breve possível, já foi idealizada e estamos conversando com as empresas que têm condições de atender com a maior celeridade possível. Depende mais do tempo agora”, assinala.

Em agosto, mais de dois meses após o desmoronamento na Rua Rui Barbosa, a reportagem do TN evidenciou a situação no local e expôs a solução idealizada pela Administração Municipal. Na época, a intenção da Prefeitura era realizar um projeto complexo, que pudesse ser estendido para o restante da encosta com o Rio Araranguá. “Fizemos todos os procedimentos de levantamento de dados, levantamento topográfico, sondagens… Encontramos uma empresa apta a fazer um projeto desse porte, lá de Porto Alegre, e passamos todos os dados. Ela fez o levantamento e nos passou, faz uns 15 ou 20 dias, os quantitativos dos serviços que serão necessários para a implantação dessa proposta”, conta Peruchi.

Esse primeiro projeto não apenas abrangia a contenção do ponto em que ocorreu o desmoronamento, mas também seria ampliado aos demais trechos críticos da encosta. Além disso, ele também visava a criação de uma área de lazer nas margens do Rio Araranguá. Porém, o valor previsto para a execução seria superior aos R$ 100 mil projetados inicialmente pelo Município.

Confira a reportagem completa na edição desta terça-feira, 22, do jornal Tribuna de Notícias. 

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Araranguá

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.