Zagueiro falha e Tigre é derrotado pelo Vitória

Federico Platero erra bizarramente no primeiro gol de Anselmo Ramon. Uruguaio, novamente, não acompanha o centroavante do time baiano que fecha o placar, na Bahia, de cabeça. Então lanterna da competição, time baiano não vencia há oito jogos


- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Salvador

- PUBLICIDADE -

Fotos: Pietro Capri / EC Vitória

Duas infelicidades do zagueiro uruguaio Federico Platero custaram ao Tigre a derrota por 2 a 0 para o Vitória, na noite de sexta-feira, na Bahia. Aos 20 minutos do segundo tempo, a falha mais grave: sozinho, fora da área, o zagueiro escorregou, caiu e perdeu a bola para Anselmo Ramon, que só deslocou Luiz para abrir o placar. Seis minutos depois, mal colocado, Platero não acompanhou o camisa 9 do Vitória, que cabeceou sozinho, no meio da área, para dar números finais ao jogo. O então lanterna da competição não vencia há oito jogos. O resultado quebra uma sequência de três jogos invictos do Tricolor Carvoeiro.

Com muita chuva e vento, a partida iniciou equilibrada e ambos os times buscavam o ataque. Aos cinco minutos, o gramado molhado traiu o zagueiro Platero, mas Anselmo Ramon adiantou demais e Jean Mangabeira fez a cobertura e afastou. Falha do defensor do Tigre. No minuto seguinte, Marcos Vinícius cruzou e Reis errou o cabeceio. No rebote, o lateral cruzou novamente, Everton Sena e Léo Gamalho se enrolaram na área, o atacante do Tigre pediu pênalti, mas o árbitro nada marcou. Aos 10 minutos, Anselmo Ramon foi lançado, Platero escorregou e puxou o centroavante do Vitória na meia lua. Falta perigosa para o time da casa. Felipe Gedoz bateu com perigo e a bola saiu. A partir daí, o time da casa aumentou o volume de jogo e empurrou o Criciúma para trás.

Aos 16 minutos, após boa troca de passes, Gedoz tocou para Anselmo Ramon que finalizou rasteiro, na meia lua, para boa defesa de Luiz, que colocou para escanteio. Aos 20 minutos, Vinícius fez jogada individual pela esquerda, cortou o lateral Matheus Rocha e bateu forte, mas a bola saiu rasteira e pela linha de fundo. O jogo ficou mais truncado, com menos chances de gols para ambos os times. Aos 26 minutos, Léo Gomes e o goleiro Martin Rodriguez se confundiram na área e quase entregaram a bola para o Tigre, mas a zaga afastou.

O Criciúma tinha dificuldades em criar jogadas de ataque pelo meio e sentia muita falta de Wesley. As principais jogadas surgiam com Vinícius, pela esquerda, e Marcos Vinicius pela direita. O time da casa também chegava pouco ao ataque. Aos 42 minutos, Léo Gomes derrubou Léo Gamalho, na intermediária. Marlon cobrou forte, rasteiro e a bola passou perto da trave. Os goleiros pouco trabalharam no primeiro tempo. “O jogo está um pouco truncado, temos que adiantar um pouquinho mais, caprichar no último passe para chegar ao gol no segundo tempo”, comentou o centroavante Léo Gamalho, no intervalo.

Na etapa final, o Vitória voltou pressionando. Aos 3 minutos, Felipe Gedoz bateu forte, de fora da área, e a bola explodiu em Liel. Os jogadores do Vitória pediram pênalti, mas o árbitro nada marcou. No minuto seguinte, Matheus Rocha cruzou da direita, a bola atravessou a área e ninguém completou para o gol. Chiquinho pegou na esquerda e novamente cruzou, mas Luiz pegou. O Tigre não conseguia sair para o ataque e o time baiano aumentava o ritmo cada vez mais. Aos oito minutos, Felipe Gedoz foi derrubado pela direita, no bico da grande área. Falta. O camisa 10 cobrou, a bola pegou na barreira e saiu. Escanteio. Na cobrança, a zaga carvoeira afastou. O time da casa voltou mais incisivo no jogo. Aos 11 minutos, Chiquinho foi derrubado na entrada da área, pela esquerda. Falta de Reis. Na batida, a bola pegou na barreira. Aos 14 minutos, Gedoz cruzou da direita e Wesley finalizou na marca do pênalti, mas pegou mascado e perdeu uma grande chance.

Aos 17 minutos, Wesley foi lançado na área e se jogou na área. Os jogadores do Criciúma pediram o amarelo por simulação. O juiz nada marcou. Seria o segundo cartão do atacante do Vitória, que estaria expulso de campo. Aos 20 minutos, Federico Platero escorregou sozinho, falhou feio, perdeu a bola para Anselmo Ramon que invadiu a área e desviou de Luiz para abrir o placar: 1 a 0 para o Vitória. Erro bizarro do zagueiro uruguaio. Depois do gol sofrido, o Tigre tentou sair para o ataque, mas acabou sofrendo o segundo gol: aos 26 minutos, Matheus Rocha cruzou da direita, Platero não acompanhou Anselmo Ramon e o camisa 9 do Vitória ampliou de cabeça: 2 a 0.

A partir daí, o Tigre tentou desesperadamente descontar. Aos 30 minutos, Bruno Cosendey finalizou de fora da área, de muito longe, mas a bola saiu. Aos 36 minutos, Léo Gamalho tentou finalizar, mas foi travado pela defesa. Três minutos depois, o mesmo Cosendey chutou, da entrada da área, a bola pegou em Everton Sena e sobrou para Julimar que chutou para a defesa de Martin Rodriguez. Aos 43 minutos, Reis foi derrubado por Leo Gomes, pela direita de ataque. Ele mesmo cobrou e o goleiro espalmou. No final, derrota do Tigre no Nordeste do país. O próximo compromisso será na terça-feira, às 21h30, em Maceió, contra o CRB.

Campeonato Brasileiro – 10ª rodada – Turno

19/07 (sexta-feira) – 21h30 – estádio Manoel Barradas, o Barradão

VITÓRIA

Martín Rodriguez; Matheus Rocha, Ramon, Everton Sena e Chiquinho; Baraka, Léo Gomes, Felipe Gedoz (Lucas Cândido) e Ruy (Nickson); Wesley (Thiaguinho) e Anselmo Ramon. Técnico: Osmar Loss

CRICIÚMA

Luiz; Marcos Vinícius, Platero, Derlan e Marlon; Liel, Jean Mangabeira (Bruno Cosendey) e Eduardo (Caíque); Reis, Léo Gamalho e Vinícius (Julimar). Técnico: Gilson Kleina

Arbitragem: Adriano Milczvski; Auxiliares: Luiz Henrique Souza Santos Renesto e Jefferson Cleiton Piva da Silva. (Trio do PR)

GOLS: Anselmo Ramon (20/2T e 26/2T)) (V)

Cartões Amarelos: Marcos Vinícius, Platero, Eduardo, Liel e Caíque (C); Wesley, Anselmo Ramon e Leo Gomes (V)

Cartões Vermelhos: Não Houve

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.