Tigre perde força no Majestoso

Equipe conquista o menor número de vitórias da história do clube, em um ano, no Heriberto Hülse. Por outro lado, foi um dos anos que o time mais perdeu em casa

- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

O calamitoso ano do Criciúma, em campo, também tem recordes negativos em números. Uma prova de como o time perdeu força, jogando no estádio Heriberto Hülse, é que, neste ano, aconteceu o menor número de vitórias da equipe, jogando em casa: foram apenas 10, em 30 partidas disputadas. Foram 10 empates e mais 10 derrotas. Um aproveitamento de pontos de 44%.

No ano passado, o Tigre venceu 11 vezes no Majestoso em um total de 29 partidas. Em 2017, foram 14 triunfos em 31 jogos. Há três anos, o Tricolor Carvoeiro teve 17 vitórias, em 30 partidas no Majestoso e, em 2015, primeiro ano de disputa da Série B, após a queda da Série A, em 2014, foram 14 triunfos no Heriberto Hülse em 29 jogos. Mas, pior que isso, é o recorde negativo na história do clube: nunca, em um ano, o Criciúma havia vencido tão pouco jogando em casa quanto em 2019.

O número de derrotas em casa também assusta. Os 10 jogos perdidos em 2019 são superados apenas pelo longínquo ano de 1983. Naquela oportunidade foram 11 derrotas, mas em 37 jogos em casa. Em 2013, ano em que permaneceu na Série A, o Criciúma também teve 10 derrotas em casa.

Aproveitamento ruim também fora

Longe do Majestoso, o Criciúma disputou 31 partidas. Foram apenas sete vitórias com 10 empates e 14 derrotas. O aproveitamento foi de 33% na pontuação. Na Série B, aconteceram dois módicos triunfos: contra o Brasil de Pelotas, ainda antes da parada da Copa América, por 1 a 0, gol de Reis, e na última rodada, contra o Oeste, por 2 a 1, gols de Léo Gamalho para o Criciúma e Fábio para o time paulista.

Em 2018, o aproveitamento da equipe, fora de casa foi o mesmo: 33%. Foram sete vitórias, oito empates e 14 derrotas. No ano anterior, o desempenho, em jogos longe de Criciúma, foi pouca coisa melhor 34.8%. Oito vitórias, nove empates e 15 derrotas. Em 2016, sob comando de Roberto Cavalo, também 33% de aproveitamento: foram nove vitórias, quatro empates e 18 derrotas. Em 2015, o Criciúma teve o pior número desde que voltou para a Série B: apenas 29%¨de aproveitamento. Foram seis vitórias, 11 empates e 16 derrotas.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.