Tigre: Menos de 40% de aproveitamento

Gilson Kleina se aproxima dos três meses de trabalho com 38% de pontos conquistados pelo Criciúma. São seis derrotas em 14 jogos no comando do clube em 2019


- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Comandando o antepenúltimo colocado na tabela de classificação da Série B, o técnico Gilson Kleina tem números pouco animadores no comando do Tigre: são apenas 38% de aproveitamento. Anunciado no dia 13 de março como substituto de Doriva, o treinador obteve apenas quatro vitórias. São outros quatro empates e seis derrotas. O total é de 14 jogos.

A melhor sequência aconteceu no Campeonato Catarinense, quando o time obteve três vitórias consecutivas, diante de Metropolitano, Joinville e Hercílio Luz. De lá para cá, muita oscilação e poucas vitórias. “Nós estamos levando uma fase ruim nas lesões e a gente não consegue dar sequência com uma equipe que estamos almejando. Isso dificulta qualquer planejamento. Temos mais dois jogos antes da parada para a Copa, e vamos fazer de tudo para achar a plataforma de jogo”, comentou, após a derrota para o Botafogo, em Ribeirão Preto.

Sob comando de Kleina, o time marcou apenas nove gols. E um dado preocupante: em apenas uma partida o Criciúma balançou a rede mais de uma vez: na derrota por 3 a 2 para a Chapecoense, na Copa do Brasil. Em outros sete jogos, o time marcou apenas um gol. Nas outras seis partidas, o Tricolor Carvoeiro não chegou às redes dos adversários. “Estamos sempre trabalhando com uma adversidade. A evolução só vai acontecer quando você puder repetir uma equipe. O Léo (Gamalho) é o nosso artilheiro e está convivendo com as lesões”, pontuou Kleina.

Na temporada, somando os jogos de Kleina e dos antecessores, o interino Wilsão e o técnico Doriva, que abriu o ano, o Criciúma já disputou 29 partidas e teve 12 derrotas. Foram mais jogos perdidos do que vencidos: são dez triunfos até agora no ano, e o aproveitamento tricolor está em 42,5%.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.