Tigre: A hora de buscar pontos fora de casa

Após empatar com o Brasil de Pelotas, no Majestoso, Criciúma precisa de, ao menos, uma vitória em partidas longe do H.H.

- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Faltam 17 pontos para que o Tigre o número considerado ideal para escapar do rebaixamento: 45 pontos. Porém, o time treinado por Roberto Cavalo terá apenas mais cinco jogos em casa. Desta forma, mesmo que vença todos os confrontos restantes no Majestoso, a equipe precisará de uma vitória – ou dois empates – longe do Majestoso. A primeira oportunidade não é fácil: no sábado contra o Coritiba. “A situação é difícil, mas estamos bem confiantes, concentrados e trabalhando muito forte para isso. Queremos ir pra Curitiba buscar um resultado bom, pra gente dar continuidade depois com dois jogos dentro de casa, conseguir vitórias seguidas, sair dessa zona e pensar em outras coisas já”, comenta o atacante Vinícius.

Um triunfo na capital paranaense embalaria o Tigre para os confrontos diante de Vitória e CRB, ambos no Majestoso, na semana que vem. Por isso, a partida é tratada como mais uma final. “O próximo é o mais importante das nossas vidas, temos que pensar que resta esse jogo para nós, é uma final, fazer o jogo das nossas vidas com inteligência, tranquilidade, mas com o coração na ponta da chuteira”, pontua Vinícius.

A posição na tabela ainda é incômoda. O Criciúma é 18º colocado com 28 pontos e marcou apenas 20 gols no campeonato. O pior ataque é o do Vila Nova com 19 bolas nas redes dos adversários. “Todo time, por um momento, passa por uma fase difícil. Creio que a nossa fase se estendeu um pouco mais, mas estamos fazendo de tudo, estamos lutando, para que ela passe, para que a gente consiga marcar mais gols”, comenta.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.