Ação social dará camisas de clubes

Campanha liderada pelos jogadores Alex Maranhão e Sueliton busca doações para projeto que beneficia crianças do bairro Renascer

- PUBLICIDADE -

Tiago Monte

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Uma rifa solidária, em prol do projeto Nunca Pare de Sonhar, que beneficia crianças do bairro Renascer, foi criada pelos jogadores Alex Maranhão e Sueliton. Eles se uniram e estão realizando essa ação social que sorteará duas camisas de clubes nacionais: uma do Criciúma e outra da Ponte Preta – time onde Maranhão atuou neste ano. Os dois atletas, que vestiram o manto carvoeiro, em 2018, autografarão as camisas e farão a entrega para os ganhadores.

As rifas custam 10 reais cada bilhete e darão direito a concorrer às duas camisas. “A nossa real intenção é ajudar as crianças do projeto e, por isso, nos unimos e vamos disponibilizar essas camisas”, comenta Maranhão. O sorteio acontece no dia 20 de dezembro, às 20 horas, através do perfil no Instagram @alexmaranhaooficial.

Uma bola por um sorriso

O projeto social Instituto Show de Bola, sediado no bairro Ana Maria, em Criciúma, também está em busca de doações para as crianças neste final de ano. A campanha tem o nome de “Doe uma bola por um sorriso” e tem como objetivo receber bolas de futebol que serão presenteadas para os integrantes do projeto.

A entrega acontecerá hoje, 13, a partir das 19 horas, durante a festa de encerramento do projeto, no Centro Comunitário do bairro Ana Maria. Na ocasião será servido um jantar com risoto como prato principal. “Você vai ser o responsável por fazer uma criança um pouco mais feliz”, diz o slogan da campanha. Quem quiser contribuir com qualquer tipo de bola, pode entrar em contato com Juarez de Jesus, pelo telefone: (48) 99938-5393.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.