Novas empresas irão gerar 600 empregos em Balneário Rincão

São 23 novos empreendimentos com destino à mais jovem cidade da Amrec que devem oportunizar ainda R$ 160 mil em tributos municipais

Foto: Lucas Colombo/TN
- PUBLICIDADE -

 

Marciano Bortolin

- PUBLICIDADE -

Balneário Rincão

Todas ficarão no Distrito Industrial e a destinação dos terrenos está amparada, conforme o presidente do Conselho e diretor de Desenvolvimento Econômico do Município, Adroaldo Faraco, na Lei 150/2016, que determina as bases de concessão de terrenos em regime de comodato por 10 anos. Depois disso, as empresas podem entrar com pedido de propriedade.
Mais nova cidade da Associação dos Municípios da Região Carbonífera (Amrec), o Balneário Rincão desponta na atração de novas empresas gerando, consequentemente, emprego e renda. Depois de aprovar a instalação de sete empreendimentos em julho, o Conselho de Desenvolvimento Econômico aprovou outras 16, juntas, as 23 irão gerar 900 empregos, sendo 600 diretos e 300 indiretos.

O elevado número de novas vagas irá gerar, por conseguinte, impacto positivo na arrecadação do município. “Serão R$ 160 mil na renda de tributos mensais e mais de R$ 1 milhão na renda familiar. Agora somos uma cidade e temos que nos comportar como tal. As portas estão abertas para quem quer vir, mas quando vão embora a gente continua aqui. Este estigma de que aqui não tinha expertise acabou, agora somos independentes”, cita.

Faraco enfatiza ainda que em Balneário Rincão, os processos para instalação de empresas é mais ágil do que em muitas cidades da região, atraindo assim a atenção e interesse de empreendedores. “Temos um trabalho diferenciado, focado. Todos os projetos, de todas as empresas, fomos nós que fizemos. Quando você pede para as empresas, elas acabam se afastando, porque muitas vezes não têm expertise para isso. O empresário que está calejado de tentar em outro município vem para o Rincão porque é mais ágil”, explica.

Agora, a destinação dos terrenos depende da aprovação dos vereadores. A partir daí, as empresas têm três meses para iniciar os trabalhos de instalação. “Pelo contrário, os terrenos são pegos de volta. Entendemos que se começa a mexer, é porque eles vêm. No passado doavam terrenos e as empresas não vinham”, salienta.

O presidente do Conselho de Desenvolvimento Econômico lembra que em julho o Legislativo se reuniu de forma extraordinária para aprovar as outras sete empresas. “Agora devemos chamar uma sessão extraordinária para outros assuntos, como mudança do Código Tributário, e já votar a aprovação destes novos empreendimentos”, revela.

Uma das empresas aprovadas ainda na metade de 2019 já se instalou e inicia os trabalhos em janeiro do ano que vem, e colocou vagas à disposição. Faraco explica que cada um dos empreendimentos faz o recrutamento a sua maneira, de acordo com as suas necessidades e no tempo necessário e que os currículos não devem ser enviados para a prefeitura, mas sim para os empreendimentos.

Revisão da lei

Faraco revela que a Lei 150/2016, que concede os espaços aos empreendimentos está sendo revista com a intenção de abaixar de 10 para seis anos o prazo para pedido do terreno em definitivo. “Queremos que as empresas venham e realmente fiquem”, diz.

Faraco fala também que a economia de Balneário Rincão estagna no período de baixa temporada e com a atração de novos investimentos isso começa a mudar. “A população nunca passa de 13 mil porque quando entra no mercado de trabalho, aos 18 anos, as pessoas acabam saindo da cidade. Agora terão a oportunidade e de ficar aqui. Além disso, para conseguir alguns serviços, como cartório, por exemplo, precisamos ter 20 mil habitantes. A vinda de novas empresas melhora a arrecadação para investimento na educação, e nas outras áreas. Vai melhorar em vários aspectos”, pontua Faraco, acrescentando que o distrito ainda possui capacidade para pelo menos mais 10 empresas e a Administração Municipal já trabalha visando a aquisição de outro espaço.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Por: Marciano Bortolin
Em: Balneário Rincão

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.