Projeto ‘O Lixo que Vira Arte’ ensina alunos da rede municipal sobre sustentabilidade em Criciúma

Aproximadamente 60 estudantes da rede municipal produziram móbiles para decorar a escola

- PUBLICIDADE -

Redação

Criciúma

- PUBLICIDADE -

Transformar materiais recicláveis em decoração do ambiente escolar. Este foi o intuito do projeto ‘O Lixo que Vira Arte’, idealizado na Escola Municipal de Educação Infantil e Ensino Fundamental (EMEIEF) José Rosso, do bairro Quarta Linha. Aproximadamente 60 alunos, principalmente do 6º ano, estiveram envolvidos na arrecadação e na produção dos móbiles.

Por meio do tema ‘Arte Ambiental’, implementado na disciplina de Ensino da Arte, os estudantes puderem aprender mais sobre sustentabilidade e garantir a preservação do meio ambiente, buscando amenizar os efeitos negativos da ação do homem na natureza. Além do respeito e a importância de preservar a natureza, os alunos aprenderam sobre a necessidade de reaproveitar o lixo por meio da reutilização e reciclagem.

Essas práticas trazem inúmeros benefícios para a sociedade, reduzindo o volume do lixo enviado para os aterros sanitários, ajudando a manter uma cidade limpa e promovendo uma economia de matéria-prima. O trabalho feito com garrafas pet, plásticos, latas e entre outras sucatas, ampliou os conceitos artísticos de diversas linguagens com experiências do cotidiano dos alunos.

“Eu quero mostrar para os meus alunos que a arte não é só uma coisa para decoração. Assim, utilizar a formação do pensamento e da imaginação das crianças e adolescentes e ver que arte está ali com uma ferramenta de educação, um caminho de uma transformação de uma sociedade melhor”, comenta a professora da EMEIEF José Rosso e idealizadora da inicitiva, Mônica Darós.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.