Justiça desclassifica crime de latrocínio

Para juízo, morte de Santelino Rosalino Luareano não foi latrocínio e, sim, suposto crime de homicídio em concurso material com furto

- PUBLICIDADE -

Lucas Renan Domingos

Içara

- PUBLICIDADE -

O juízo da 2ª Vara da Comarca de Içara desclassificou um crime de latrocínio registrado na cidade em 13 dezembro de 2018. Na data, Santelino Rosalino Laureano, de 71 anos, foi morto com uma paulada na cabeça, na frente do neto, colocada na carroceria da própria caminhonete e abandonada às margens da Rodovia Jorge Zanatta, no Bairro Liri, em Içara.

Para a Justiça, o caso na verdade deverá ser julgado como homicídio com concurso material com furto. “Ante o exposto, desclassifico o fato principal, capitulado na denúncia como latrocínio, para suposto crime de homicídio em concurso material com furto”, afirma a decisão do magistrado de Içara.

Relembre detalhes do caso

O neto de vítima, de apenas cinco anos, foi a única testemunha ocular do crime. A criança relatou aos policiais que estava com o avô em sua residência quando homens entraram, os amarraram e deram uma paulada na cabeça do idoso.

Na sequência, colocaram ambos na caminhonete de Santelino – o neto na cabine e a vítima na carroceria, dentro do forro de um colchão -, e os abandonaram às margens da Rodovia Jorge Zanatta. Posteriormente o menino conseguiu se soltar, sair do automóvel e buscar ajuda de motoristas que transitavam pela via.

Um condutor parou, ouviu a história do menino e o ajudou a acionar a Polícia Militar. Após receber as informações, via Central Regional de Emergências, a guarnição se deslocou até onde estava a criança e, logo depois, ao local em que a caminhonete havia sido abandonada, encontrando o idoso já sem sinais vitais.

A Polícia Civil assumiu o caso e, dias depois, duas pessoas foram presas, suspeitas de fazerem parte do crime: uma mulher de 45 anos, conhecida do idoso, e um homem de 25 anos. Os policiais também descobriram que o dinheiro que estava com a vítima foi roubado bem como um saque no valor de R$ 2,5 mil teria sido feito pelos acusados. Ambos os suspeitos foram detidos em suas próprias casas, no Bairro Liri, em Içara.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.