Criciúma: trâmites para a nova sede da Câmara são discutidos na SPU

Todos os trâmites que cedem ao Legislativo o uso do prédio onde funcionava o Ministério Público do Trabalho (MPT), no Parque Centenário, foram ratificados junto ao novo superintendente, que afirmou que está fazendo todo o andamento necessário ao processo que viabilizará a nova sede.

- PUBLICIDADE -

Em encontro nessa quarta-feira (10/7), na capital do Estado, o presidente do Legislativo, vereador Miri Dagostim (PP), presidente do Legislativo de Criciúma, esteve reunido com o novo superintendente de patrimônio da União em Santa Catarina, Nabih Henrique Chram.

Todos os trâmites que cedem ao Legislativo o uso do prédio onde funcionava o Ministério Público do Trabalho (MPT), no Parque Centenário, foram ratificados junto ao novo superintendente, que afirmou que está fazendo todo o andamento necessário ao processo que viabilizará a nova sede. Também estiveram presentes na reunião o diretor de secretaria do Município Vagner Espíndola e o diretor de patrimônio Valmir Luiz.

- PUBLICIDADE -

“Saímos da reunião confiantes de que o processo está sendo encaminhado e que, em breve, será lavrado o termo de cessão de uso, para a reforma e construção da nova sede”, pontuou o presidente.

O imóvel será cedido ao Município de Criciúma que, por meio de um termo de uso, concederá o espaço ao Poder Legislativo. A saída do prédio alugado, atual endereço do Legislativo, e mudança para o novo local trará uma economia de quase meio milhão de reais por ano.

Para abrigar a Casa do Povo, além de reforma, o local passará por adaptações de mobilidade e ampliação do espaço para abrigar os gabinetes dos vereadores, os setores administrativos e o plenário com capacidade para até 220 visitantes.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.