Rio Maina: único distrito de SC que pode se emancipar

Dos 22 pedidos registrados na Alesc, somente o criciumense cumpre exigência de lei que será votada em agosto

Foto: Lucas Colombo/DN
- PUBLICIDADE -

Matheus Reis
Criciúma

Dos 22 pedidos de emancipação de distritos ou regiões de Santa Catarina registrados na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), apenas o do Rio Maina, em Criciúma, pode ser efetivado. Isto porque uma lei que tramita na Câmara dos Deputados e regulamenta a criação de municípios no país pode alterar as exigências para a mudança.

- PUBLICIDADE -

A principal delas indica que só pode se tornar Município aqueles distritos e regiões que possuírem mais de 20 mil habitantes e as cidades-mãe não podem ficar com menos que 20 mil. Sendo assim, somente o Rio Maina atende os requisitos. O texto do projeto de lei complementar (PLP) 137/15 prevê, também, a possibilidade de plebiscitos, deixando na mão da população a escolha.

Na Região Carbonífera, ainda há pedidos de emancipação dos distritos de Caravaggio, em Nova Veneza; Estação Cocal, em Morro da Fumaça; e Guatá, em Lauro Müller.

Dos distritos que já pertenceram a Criciúma, o Rio Maina é o único que ainda não se emancipou. As cidades de Içara, que já se desmembrou dando origem ao Município de Balneário Rincão, Nova Veneza e Forquilhinha já pertenceram a Criciúma, segundo dados do IBGE. O Rio Maina, no entanto, mesmo sendo criado no mesmo dia do distrito de Forquilhinha, 10 de abril de 1959, continua na expectativa. Atualmente o distrito possui, também segundo estimativas do IBGE, 56 mil moradores. Criciúma somando também o Rio Maina tem cerca de 210 mil.

Leia a matéria completa na edição impressa desta quinta-feira, 19

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.