Verão, sol, calor e atenção redobrada com a alimentação

Professora da Unesc dá dicas de cuidado com a saúde durante a estação mais quente do ano

Foto: Divulgação/Unesc

- PUBLICIDADE -

Criciúma

Com o aumento do calor e da exposição solar, o corpo pede uma atenção diferenciada no verão. Beber muita água, garantir a segurança dos alimentos e incluir vitaminas e minerais nas refeições diárias são algumas das dicas que a professora Fabiane Fabris, do curso de Nutrição da Unesc, traz para a estação mais quente do ano.

- PUBLICIDADE -

Segundo a professora, o calor promove no organismo uma maior eliminação de eletrólitos através do suor, que são substâncias como sódio, potássio, cálcio e magnésio. Eles são responsáveis pelo funcionamento de diversos processos corporais e, por conta disso, o desequilíbrio pode causar riscos à saúde. “A nossa alimentação deve ser variada, com a inclusão de vitaminas e minerais, indispensáveis ao crescimento normal e à manutenção da saúde”, comenta Fabiane.

Ela afirma ainda que o nosso corpo não consegue sintetizar sozinho diversas substâncias necessárias. Para isso, a ingestão de alimentos específicos pode promover uma maior resistência. “Alimentos in natura e minimamente processados devem ser a base de uma alimentação adequada e saudável. Comprar em feiras locais e optar sempre que possível por orgânicos, garante alimentos mais frescos e com teores maiores de nutrientes”, ressalta a professora.

Fique atento à segurança dos alimentos

Nestes dias de sol é preciso redobrar a atenção ao levar alimentos para serem ingeridos fora de casa. “O calor promove o crescimento de microrganismos patogénicos e/ou a produção de toxinas no alimento, cuja ingestão pode provocar toxinfeções alimentares. Os sintomas, como dores de estômago e cabeça, vômitos, diarreia e febre, surgem de 24 a 72 horas após a ingestão do alimento”, comenta Fabiane.

Já para garantir a segurança dos alimentos na compra, transporte, conservação, preparação e confecção, até o momento do consumo, seja em casa, na praia ou no campo, a professora traz os seguintes conselhos:

  • Lave em água corrente alimentos consumidos crus;
  • Manipule/mantenha os alimentos crus separados dos cozidos;
  • Conserve os alimentos que estragam mais rapidamente em recipientes fechados e a uma temperatura inferior a 5ºC (em sacos isotérmicos/frigorífico/congelador);
  • Cozinhe completamente os alimentos, até atingirem temperaturas acima de 70ºC e, após a sua confecção, refrigere, congele ou consuma-os o mais rapidamente possível.
-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Criciúma

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.