Criciúma: Projeto leva humanização e solidariedade aos cuidadores

Iniciativa desenvolvida pelas integrantes do Núcleo Feminino da Coopera promove encontros com pessoas que se dedicam a cuidar do próximo, levando orientações

Foto: Divulgação/Coopera

- PUBLICIDADE -

Criciúma

Uma iniciativa diferente promovida pelo Núcleo Feminino da Cooperativa Pioneira de Eletrificação (Coopera) lança um olhar acolhedor às pessoas que se dedicam em cuidar do próximo. Após participarem de um curso de confecção de projetos sociais oferecido pela cooperativa, essas integrantes elaboraram o projeto “Cuidando do cuidador”, que prevê encontros mensais com quem presta auxílio a idosos, acamados, portadores de necessidades especiais e membros da família que precisam de atenção especial.

- PUBLICIDADE -

A ação, que iniciou há cinco meses e já reuniu mais de 50 cuidadores, teve o encerramento das atividades do ano nesta semana. O encontro foi realizado no Salão Paroquial do bairro Morro Estevão, em Criciúma. “Esse projeto é importante porque auxilia essas pessoas que têm longas jornadas de trabalho e precisam desse preparo emocional tão significativo”, avalia presidente da Coopera, Walmir Rampinelli.

Conforme a coordenadora de Cooperativismo da Coopera, Josimar Jacques, a ideia é ampliar o projeto para atender, também, moradores de Forquilhinha.

Ação que valoriza as pessoas

A cuidadora Vanete Dagostim, de 55 anos, cuida da mãe e integra o projeto “Cuidando do Cuidador”, juntamente com mais 14 mulheres dos bairros Morro Estevão, Quarta Linha e Capão Bonito. Segundo ela, as mulheres iniciaram as atividades em agosto com o objetivo de valorizar, motivar e apoiar essas pessoas. “O projeto tem ajudado muito os cuidadores, pois eles precisam ser valorizados pela sociedade e pela própria família”, comenta.

Pelo menos uma vez ao mês um profissional é convidado a palestrar para os cuidadores, realizando rodas de conversas e tirando dúvidas dos participantes. “Já promovemos palestras com nutricionista, fisioterapeuta, psicóloga e assistente social, músico terapeuta e a experiência está sendo muito positiva e gratificante”, disse Vanete.

A função de cuidadora não é fácil e demanda, além de responsabilidade, muita dedicação, carinho e amor. E é focada no amor ao próximo que dona Elizabeth Silvano Guilherme, de 52 anos, se dedica aos cuidados diários com o pai, de 73 anos, que necessita de atenção em tempo integral. “Estou aprendendo muito com essa experiência e espero que esse trabalho maravilhoso continue”, comentou.

-- PUBLICIDADE --
Compartilhar
Em: Criciúma

NOTA: O TN Sul não se responsabiliza por qualquer comentário postado, certo de que o comentário é a expressão final do titular da conta no Facebook e inteiramente responsável por qualquer ato, expressões, ações e palavras demonstrados neste local. Qualquer processo judicial é de inteira responsabilidade do comentador.